Joesley disse à Procuradoria que tratou com ‘vários políticos’ sobre como parar Lava Jato

Joesley disse à Procuradoria que tratou com ‘vários políticos’ sobre como parar Lava Jato

Empresário disse que políticos com quem mais falou nos últimos anos sobre operação foram Temer, Cunha e Ciro Nogueira

Breno Pires, de Brasília

11 Setembro 2017 | 19h10

Joesley Batista. Foto: Felipe Rau/Estadão

BRASÍLIA – Em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), o empresário Joesley Batista, dono do Grupo J&F, disse que antes de se tornar um delator “tratou com vários políticos sobre como parar” a Operação Lava Jato. O depoimento, ao qual o Estado teve acesso, foi prestado pelo dono do grupo J&F no último dia 7 dentro do procedimento de revisão do acordo de delação premiada firmado com a Procuradoria.

Joesley Batista afirmou que os políticos com quem “mais falou sobre tudo o que acontecia com a empresa no âmbito da Operação Lava Jato durante os últimos três anos foram Ciro Nogueira, Eduardo Cunha e Michel Temer”.

“Que os políticos com os quais mais falou sobre tudo que acontecia com a empresa no âmbito da ‘Operação Lava Jato’ durante os últimos três anos foram Ciro Nogueira, Eduardo Cunha e Michel Temer; que durante a ‘Lava Jato’, até decidir por colaborar, tratou com vários políticos sobre como parar a ‘Operação’; que por isso ficou em paz consigo mesmo porque salvou a empresa com a colaboração depois de três anos de tentativa com políticos”, consta no termo de depoimento assinado pelo empresário.

A defesa de Eduardo Cunha afirmou que não teve acesso ao depoimento e por isso não comentará. As assessorias de imprensa do Planalto e do senador Ciro Nogueira foram contatadas e ainda não responderem sobre as citações.