1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

João Santana

João Santana não embarcou em voo que chegaria neste domingo ao Brasil

Por Andreza Matais, Fausto Macedo, Ricardo Brandt

22/02/2016, 11h28

   

Publicitários avisaram defesa que retornam ao Brasil o mais breve possível

O marqueteiro do PT, João Santana. Foto: Wilson Pedrosa/Estadão

O marqueteiro do PT, João Santana. Foto: Wilson Pedrosa/Estadão

O marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, não embarcaram nesta domingo em um voo que partiu da República Dominicana com destino ao aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Segundo investigadores, eles compraram os bilhetes, mas não compareceram no momento do embarque. O voo registrou no show, quando o passageiro não comparece ao check-in ou ao embarque. Com isso, o casal se livrou do constrangimento de ser preso em casa pela 23ª fase da Operação Lava Jato deflagrada nesta segunda-feira,22. A compra da passagem foi monitorada pela Polícia Federal.

O Estado apurou que os publicitários já informaram à sua equipe de advogados que irão retornar ao Brasil “o mais breve possível” para se entregar as autoridades. A Polícia Federal entrou em contato com a República Dominicana onde estão os publicitários trabalhando na campanha à reeleição do presidente Danilo Medina. Se não houver comunicado da defesa sobre o paradeiro dos publicitários, a PF os considerará foragidos até o fim do dia.

No sábado, os criminalistas que defendem os publicitários haviam informado ao juiz Sérgio Mouro, por meio de petição, que João Santana estava à disposição da Justiça para ser ouvido “evitar conclusões precipitadas e prevenir danos irreparáveis que costumam se seguir a elas”.

A Lava Jato descobriu que a construtora Norberto Odebrecht repassou para Santana no exterior US$ 3 milhões. A conta não foi declarada e o valor se refere a pagamento de campanha eleitoral. Nos últimos dez anos, João Santana foi responsável por campanhas do PT, incluindo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2006) e da presidente Dilma Rousseff (2010 e 2014).

(Visited 3 time, 1 visit today)

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.