Igreja foi usada para lavar dinheiro desviado de fundo, diz delator

Igreja foi usada para lavar dinheiro desviado de fundo, diz delator

De acordo com delator, ex-presidente do Postalis recebeu propina por meio de doações falsas para associação religiosa

Renan Truffi e Fabio Serapião, de Brasília

05 Novembro 2017 | 05h00

FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

O empresário Paulo Roberto Gazani Júnior afirmou, em delação, que até uma igreja foi utilizada para mascarar suposto pagamento de propina para o ex-presidente do Postalis Alexej Predtchensky. A delação foi anexada às investigações da Operação Greenfield, que apura irregularidades em fundos de pensão. As fraudes alvo da Greenfield chegam a R$ 53,8 bilhões, segundo a Polícia Federal.

+ Delator liga Postalis a propina do PMDB

+ PF combate desvios de R$ 8 bi nos fundos de pensão Funcef, Petros, Previ e Postalis

Conforme Gazani, foram repassados R$ 715 mil a Predtechensky por meio de uma falsa doação para a Associação Religiosa Igreja da Suprema Graça.

A operação para o pagamento foi organizada a partir de um negócio envolvendo o Banco Cruzeiro do Sul, que teve sua falência decretada em 2012. Gazani havia auxiliado o banco a estruturar um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios, com o objetivo de vender seus créditos consignados ao Postalis.

+ Procuradoria acusa oito por fraudes de R$ 465 milhões no Postalis

+ Greenfield confisca avião, 139 carros e 90 imóveis

A propina, neste caso, teria sido acertada entre o delator e o próprio Predtechensky, na sala da presidência do Postalis, em Brasília. O valor definido na negociação representava 1,5% de comissão sobre o investimento a ser feito pelo fundo de pensão no banco que viria a falir.

A forma de pagamento foi negociada com outro intermediário, identificado como Marcos Glikas. Foi este contato quem indicou que a propina seria paga por meio de uma doação à Igreja da Suprema Graça.

+ Justiça sequestra bens de sete por rombo de R$ 180 milhões no Postalis

+ Greenfield apreende R$ 350 mil, US$ 100 mil e € 50 mil em dinheiro vivo

Glikas já foi alvo de duas grandes ações da PF. Em 2015, na Operação Porto Victoria, foi investigado por movimentação de cerca de R$ 3 bilhões em transações fictícias de comércio exterior e fuga de capitais da Venezuela. Em 2004, Glikas foi preso na Operação Kimberley contra contrabandistas de pedras preciosas do Brasil.

Transferências. De acordo com Gazani, os valores foram transferidos entre junho e julho de 2011 por meio de duas Transferências Eletrônicas Disponíveis (TEDs). A instituição religiosa chegou a oferecer até um recibo ao delator como prova da transferência. O comprovante está com investigadores.

+ TCU bloqueia bens de ex-gestores do Postalis por rombo de R$ 1 bi

Na internet, a Igreja da Suprema Graça aparece como uma instituição comandada pelo reverendo Daniel Augusto Maddalena, e teria sido inaugurada em setembro de 2008.

“Somos uma igreja moderna, operando de forma independente, trabalhando em todo o País, através de projetos junto às outras igrejas, comunidades e instituições”, resume a entidade em seu endereço na internet.

+ Barroso tira sigilo de inquérito contra Renan no caso Postalis

A reportagem não localizou o reverendo Maddalena ou integrante da instituição para comentar o caso. Marcos Glikas e a administração da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul também não foram encontrados.