‘A ideia é ter o maior número exclusivo de policiais na Lava Jato’

‘A ideia é ter o maior número exclusivo de policiais na Lava Jato’

Maurício Valeixo, novo superintendente regional da Polícia Federal no Paraná, afirma que Lava Jato é prioridade, diz que reforços e exclusividade na equipe fazem parte de planejamento para 2018 aprovado por comando em Brasília nesta semana

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Fausto Macedo

12 Janeiro 2018 | 19h50

Novo Superintendente da Polícia Federal no Paraná, delegado Mauricio Leite Valeixo. FOTO DENIS FERREIRA NETTO/ESTADÃO

O novo superintendente da Polícia Federal no Paraná, Maurício Leite Valeixo, afirmou que haverá “reforços” e volta de atuação “exclusiva” da equipe para conclusão das investigações da Operação Lava Jato, em Curitiba, onde começaram as apurações do maior escândalo de corrupção do País, em março de 2014.

“O objetivo é uma concentração de esforços para concluir procedimentos pendentes. Concluir todas as investigações”, afirmou Valeixo, em sua primeira entrevista ao Estadão, no novo cargo.

Aos 50 anos, Valeixo recebeu a reportagem na tarde desta quarta-feira, 10, na mesma sala que já ocupou entre 2009 e 2011, quando chefiou a PF do Paraná pela primeira vez. “A ideia é com essa concentração de esforços ter maior número possível de policiais dedicados exclusivamente às investigações da Lava Jato”, afirmou Valeixo que garante que as grandes operações de combate à corrupção serão prioridade em 2018. Além da Lava Jato, a Carne Fraca – deflagrada em março de 2017, que apurou corrupção no Ministério da Agricultura e em empresas do setor de carnes – deve ter novas fases neste ano.


Adido em Washington de 2013 a 2015, diretor da Divisão de Combate do Crime Organizado (Dicor) – terceiro maior cargo da PF –  de 2015 até fim 2017, Valeixo recebeu a reportagem no mesmo dia em que o comando da PF em Brasília aprovou o planejamento operacional e financeiro que prevê reforços para a Lava Jato em 2018. Ele falou ainda sobre o modelo de combate à corrupção da Lava Jato, a importância da transparência nas investigações sobre recursos públicos, as análise de documentos da Odebrecht, os cerca de 100 inquéritos e os 53 novos procedimentos que chegaram do STF, entre outros temas.

Leia a entrevista:

Estadão: O sr. já teve tempo para um diagnóstico da situação na Polícia Federal do Paraná, para um planejamento para 2018? Qual é a prioridade?

Maurício Leite Valeixo: Historicamente a estrutura policial no Paraná, em termos administrativos, é uma estrutura organizada. A prioridade que nós temos é com a equipe da Lava Jato que permanece. Isso já foi encaminhado para Brasília, o planejamento operacional, com relação ao apoio de pessoal e recursos para a Operação Lava Jato em 2018. Foi encaminhado para o atual diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado, doutor Eugênio Ricas, que já sinalizou… já concordou, já autorizou com o planejamento para o Paraná para fins de formalização.

Estadão: O sr. pode falar o que pediu nesse planejamento?

Valeixo: A ideia com relação a Lava Jato é uma concentração de esforços em 2018: reforço de policiais, peritos, analistas, delegados para uma concentração de esforços para condução das linhas de investigação que estão tramitando no Paraná.

Estadão: Então a Lava Jato não acaba em 2018, em Curitiba? Há muito trabalho ainda? 

Valeixo: Exato. O objetivo é uma concentração de esforços para concluir procedimentos pendentes, a ideia é concluir todas as investigações, em uma concentração de esforços.

FOTO DENIS FERREIRA NETTO / ESTADAO

Estadão: O sr. pediu aumento de efetivo, especificamente?

Valeixo: Sim. É um planejamento operacional. O pleito envolve um recurso específico para a Lava Jato, como já ocorreu em anos anteriores, então vem recursos para a Superintendência, mas só para utilização na Lava Jato. Para diária, passagens… Foi feita uma estimativa de valor e também de pessoal, foi encaminhado para Brasília, que já foi autorizada para as demais providências que estão sendo tomadas.

Estadão: Os policiais vão voltar a atuar com exclusividade na Lava Jato, como ocorria antes do fim do grupo de trabalho, em meados de 2017?

Valeixo: A ideia é com essa concentração de esforços ter maior número possível de policiais dedicados exclusivamente às investigações da Lava Jato.

Estadão: Há muito trabalho para 2018? Decifrar os dados do Drousys, sistema de comunicação do setor de propinas da Odebrecht, é um deles?

Valeixo: Há uma expectativa, o sistema Drousys, por exemplo, está em fase de análise para fins de perícia, então pelo volume de informações que ele contém há uma expectativa de muito trabalho. Temos hoje cerca de 100 inquéritos da Lava Jato. Recentemente foram enviados outros 53 procedimentos do Supremo para a 13ª. Vara, do doutor Sergio Moro, que resultaram em novos inquéritos e apuracões. São procedimentos referentes ao conteúdos das colaborações da Odebrecht e do marqueteiro João Santana.

Estadão: Quando foi anunciado o novo diretor-geral da PF, Fernando Segóvia, falou-se em uma tentativa de abafar a Lava Jato. Logo a pergunta foi: quem assumiria Curitiba, o berço da operação. A Lava Jato corre o risco de acabar?

Valeixo: A Lava Jato como modelo de combate à corrupção é algo definitivo no Brasil. Não vai acabar. Naturalmente o trabalho tem linhas ascendentes, com muito trabalho (em uma fase), mas chegou em determinado momento, no Paraná, que atingiu os investigados com prerrogativa de foro e passou para o Supremo. Você pode ver isso como esvaziamento? Não, isso é um processo natural de uma investigação que acaba atingindo determinadas esferas. É uma questão do Direito, do foro, então você tem os que passaram a ser investigados no Supremo, outros no STJ (Superior Tribunal de Justiça). E você tem os deslocamentos (de apurações), tem investigações no Rio de Janeiro, em São Paulo.

Estadão: Como estão as outras operações nesse planejamento, como a Carne Fraca, que acaba de ter homologada sua primeira delação no STF e receberá material aqui em Curitiba?

Valeixo: São essas operações, tem outras, que acabam absorvendo muito energia da superintendência, em razão da envergadura das operações, e que estão também contando com o apoio de Brasília no sentido de reforçar as equipes, através do recrutamento de policiais de fora.

FOTO DENIS FERREIRA NETTO / ESTADAO

Estadão: O sr. falou de outras operações…

Valeixo: Temos uma operação muito importante, até pela questão patrimonial, que foi iniciada em Londrina, que prendeu o traficante conhecido como Cabeça Branca, o Luis Carlos de Oliveira e é uma investigação que demandou esforço grande investigativo pela dimensão da apuração, pela questão patrimonial da lavagem de dinheiro. E tem outras operações muito sensíveis de fronteiras.

Historicamente o Paraná é uma unidade que tem uma produtividade operacional muito significativa em termos de estatística da Polícia Federal.

Estadão: O sr. passou dois anos como diretor de Combate à Corrupção da PF, um tipo de crime que antigamente era pouco combatido. O foco no combate aos desvios de recursos públicos pode perder forças na PF em 2018?

Valeixo: Acompanhei mais ou menos esse processo, há uns seis, oito anos, quando começou-se a pensar em estabelecer uma estratégia própria de combate aos desvio de recursos públicos. Então a polícia já vinha com uma boa estrutura de combate aos crimes financeiros e veio essa atenção à uma metodologia de combate aos desvios de recursos públicos. Foi criado um serviço onde se especializou toda uma equipe. Então foi uma crescente. Hoje entendo que a Polícia Federal está bem estruturada para o enfrentamento desse tipo de crime e a sociedade entende a importância de se enfrentar isso.

E quando se fala em desvio de recursos públicos, genericamente estamos falando de se combater a corrupção, essa relação entre entes público e privado. Até em razão do seu significado… Considerando hoje a questão orçamentária, ausência de recursos, dificuldades financeiras que os estados e municípios estão atravessando, você verifica que essa questão da corrupção tem uma representatividade muito grande nessas questões em razão dos valores que são desviados, ou custo de determinadas obras, ou o custo desse recurso para chegar na Saúde, na Segurança pública, na Educação.

Acho que há uma necessidade de debate da própria sociedade. Isso não vai ser resolvido pela polícia, pelo judiciário, por ninguém. É um debate de toda sociedade essa questão da corrupção, que aflige o País.

Estadão: Qual ensinamento deixará a Lava Jato do ponto de vista da investigação criminal?

Valeixo: Primeiro a metodologia que foi aplicada na investigação, então tecnicamente falando, estabelecer uma estratégia de fracionamento da apuração ao invés de desenvolver uma fase e tentar prender 200, 300 pessoas, 300 mandados de busca, e depois inviabilizar a instrução penal. Então fracionando as investigações com equipes com dedicação exclusiva para cada fracionamento… A forma que a Lava Jato foi construída, esse modelo de investigação, já está surtindo efeito em outros estados.

Segundo, a demonstração de que quando você tem diversas instituições trabalhando em conjunto, os resultados são extremamente positivos. Todos trabalhando dentro de sua esfera de atribuição, deixando a vaidade de lado. Quando começou a haver certos ruídos, o que é natural dentro de uma operação que em março vai fazer quatro anos, e alta complexidade, você vai ter ruídos, é um processo natural…

Outra questão é a transparência. Quando se trata de recursos públicos, a transparência, a visibilidade faz com que haja uma cobrança. Então a corrupção é um crime extremamente grave em razão dos resultados que termina por produzir. Então é um centro de custo que acaba não chegando na Saúde, hospital que fecha, UTI que tem que fechar leitos, escola que fica em condições precárias, a merende escolar que falta… tem várias modalidades, não é só o dinheiro, tem a forma da compra, então você vai lá e vê que o leite que está sendo serviço está vencido, tem N modalidades que geram  um resultado extremamente negativo para o País e para uma faixa da população que é carente e precisa. Então essa transparência para mostrar o que está acontecendo acho muito construtivo para a democracia. Seja para amanhã questionar algum excesso da investigação, seja para debater. O assunto tem que ser colocado na mesa e discutido com maturidade e avaliado pela sociedade.

Estadão: O sr. defende inclusive acesso aos inquéritos policiais?

Valeixo: Essa questão do acesso é judicial, o doutor Sérgio Moro sempre adotou uma política de transparência na ação judicial dele e é uma questão de avaliar se é positivo ou não. Eu entendo que considerando o perfil da investigação, a natureza… estamos falando de recursos públicos. Eu defendo a publicidade, desde que não haja prejuízo às investigações. Tem que tomar cuidado para que não seja feito no momento errado. Isso pode gerar até um prejuízo para o investigado.

O que eu falo é que a Lava Jato chegou onde ela chegou graças ao momento em que se decidiu pela transparência, para o devido acompanhamento, para o debate da própria sociedade, se esse é o modelo, não é o modelo, se esse nível de corrupção é aceitável ou não é aceitável. Já vi gente que defende que determinado nível de corrupção é aceitável para a máquina pública funcionar…. Então é um debate que a sociedade brasileira vai ter que enfrentar e, justamente, para isso, é preciso transparência para que elas tenham acesso às informações sobre o que está acontecendo ou o que aconteceu.

Estadão: 2018, em ano de eleições, a Lava Jato e outras operações estão em perigo?

Valeixo: Como policial, eu tenho que separar as coisas. Fico focado no trabalho, os reflexos desse trabalho no âmbito judicial, da ação penal. A questão política é do Legislativo. E a questão eleitoral é a sociedade brasileira. Então o foco do policial é no trabalho e os reflexos desse trabalho são para as respectivas esferas que têm que fazer essa avaliação.