Gaeco abre Xibalba contra lavagem do tráfico e mira prefeito eleito de Embu das Artes

Gaeco abre Xibalba contra lavagem do tráfico e mira prefeito eleito de Embu das Artes

Ney Santos (PRB) é alvo de mandado de prisão; Ministério Público do Estado de São Paulo investiga esquema que teria atuado também em Osasco, Taboão da Serra, Carapicuíba, Cajamar e São Paulo

Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

09 Dezembro 2016 | 10h25

Ney Santos. Foto: CMEMBU/Divulgação

Ney Santos. Foto: CMEMBU/Divulgação

O Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO de São Paulo- núcleo Capital, com o auxílio da Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo, deflagrou na manhã desta sexta feira, 9, a primeira fase da Operação Xibalba.

As informações são da Assessoria de Comunicação da Promotoria de São Paulo.

A ação investiga um esquema de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas nas cidades de Embu das Artes, Osasco, Taboão da Serra, Carapicuíba, Cajamar e São Paulo, ‘instrumentalizada, em especial, através da constituição e administração de postos de combustíveis’.


Empresário, Ney Santos é vereador e atual presidente da Câmara de Embu das Artes, município da Grande São Paulo.

Segundo o Ministério Público, Santos tem envolvimento com o tráfico de drogas e com uma facção criminosa que age nos presídios.

A investigação mostra que o prefeito eleito de Embu das Artes é proprietário de uma rede de seis postos de gasolina. O Ministério Público suspeita que o político usa os postos para lavar dinheiro ilícito do crime organizado.

A investigação realizada em Procedimento Investigatório Criminal pelo GAECO/Capital ensejou a propositura de ação penal que tramita em segredo de Justiça na 1ª Vara Judicial de Embu das Artes.

Para o cumprimento dos 63 mandados judiciais, sendo 49 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão preventiva, o Ministério Público contou com atuação de 32 Promotores de Justiça e 200 policiais da Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:

Operação Xibalba