Foragido, presidente do PR diz que não vai se submeter ‘às humilhações do cárcere’

Foragido, presidente do PR diz que não vai se submeter ‘às humilhações do cárcere’

defesa de Antônio Carlos Rodrigues, alvo da Operação Caixa D'água que pegou os ex-governadores do Rio Anthony Garotinho e Rosinha, aposta em novo pedido de habeas corpus, agora ao Tribunal Superior Eleitoral

Luiz Vassallo e Julia Affonso

24 Novembro 2017 | 19h42

Antonio Carlos Rodrigues. FOTO ED FERREIRA/AE

O presidente nacional do PR e ex-ministro dos Transportes (Governo Dilma;2012-2014), foragido da Operação Caixa D’Água – que pegou os ex-governadores do Rio Anthony Garotinho e Rosinha – aposta em novo pedido de habeas corpus, agora ao Tribunal Superior Eleitoral. Ainda nesta sexta-feira, os advogados Daniel Bialski e Marcelo Bessa vão entrar com o habeas na Corte superior.

Por meio de sua defesa, Rodrigues sinaliza que não pretende se entregar. “Nosso cliente não se submeterá, por ora, às mazelas e humilhações do cárcere porque confia que as instâncias superiores reverterão esta arbitrária medida. Ele nunca fugiu às suas obrigações e nem o fará”, afirmam Daniel Bialski e Marcelo Bessa.

Rodrigues teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Eleitoral do município de Campos dos Goytacazes, norte do Estado do Rio, por suspeita de envolvimento com propina de R$ 3 milhões da JBS para a campanha eleitoral de Garotinho em 2014.

Os advogados do presidente nacional do PR negam taxativamente sua ligação com o caso.

Um primeiro habeas foi pedido ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio na quinta-feira, 23. Nesta sexta, 24, a defesa decidiu bater à porta do TSE.

“Consideramos que a medida preventiva é desproporcional, desnecessária e inexiste motivação para sua decretação e continuidade”, sustentam Daniel Bialski e Marcelo Bessa.

Os criminalistas enfatizam. “Não entendemos que nosso cliente deva ser considerado foragido. As Declarações Universal e Americana dos Direitos Humanos amparam a luta frente a qualquer ato que atente ilegalmente contra a liberdade.”

Mais conteúdo sobre:

Anthony GarotinhoAnthony Garotinho