Flagrado com provolone e biscoito na cueca, deputado-presidiário vai para o isolamento

Flagrado com provolone e biscoito na cueca, deputado-presidiário vai para o isolamento

Celso Jacob (PMDB/RJ), atualmente detido na Papuda, em Brasília, vai passar 7 dias de castigo

Fabio Serapião/BRASÍLIA

23 Novembro 2017 | 14h09

reso na Papuda, Celso Jacob (PMDB-RJ) trabalha normalmente no Congresso Foto: Dida Sampaio/Estadão

O deputado Celso Jacob (PMDB-RJ), atualmente detido no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, passará 7 dias em regime de isolamento após ter sido flagrado com alimentos escondidos na roupa durante a revista. No último domingo, 19, Jacob voltava para o cárcere e durante o processo de revista os agentes penitenciários encontraram dois pacotes de biscoito e um queijo provolone escondidos dentro da sua roupa íntima.

Deputado preso sofre AVC e é internado em Brasília

Partidos da Câmara ignoram condenação de deputado preso

De acordo com a Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, “o interno foi levado imediatamente para o isolamento, onde ficará por sete dias”. Jacob, conhecido como deputado-presidiário, foi condenado a sete anos de prisão por conta de um processo de fraude em licitação na prefeitura de Três Rios (RJ), quando ele era prefeito.

Atualmente, o deputado se divide entre o cumprimento da pena em regime semi-aberto e o trabalho na Câmara dos Deputados. Segundo a a Secretaria de Segurança, a Vara de Execuções Penais (VEP), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), foi comunicada do fato e instaurou um inquérito disciplinar para apurar o caso. “A punição para esses casos pode chegar a 30 dias de isolamento, além da perda de benefícios, conforme decisão da VEP, informou a SSP-DF por meio de nota.

Ainda segundo a SSP, “é proibida a entrada de internos com qualquer objeto ou alimento no presídio sem autorização” e “a entrada de alimentos autorizados só é possível por meio da família, durante o período de visita”.

O advogado Thiago Machado, que representa Jacob, afirmou que não irá se manifestar “uma vez que o caso ainda está em apuração.”

Mais conteúdo sobre:

Celso JacobPapudaCelso JacobPapuda