Filho de Dario Messer ‘gaguejou’ ao explicar R$ 514 mil, diz relatório do Coaf

Filho de Dario Messer ‘gaguejou’ ao explicar R$ 514 mil, diz relatório do Coaf

Documento do órgão ligado ao Ministério da Fazenda registrou apreensão e ‘comportamento suspeito’ de Dan Wolf Messer, filho do 'doleiro dos doleiros', em agência bancária no Leblon, em dezembro de 2013

Julia Affonso

10 Maio 2018 | 05h00

Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ligado ao Ministério da Fazenda, registrou a apreensão do filho do ‘doleiro dos doleiros’ Dario Messer em uma agência bancária, no Leblon, no Rio, em 9 de dezembro de 2013. Na ocasião, Dan Wolf Messer tentava transferir R$ 514 mil que haviam caído em sua conta. O Coaf classificou a movimentação como ‘suspeita’.

Dario Messer é alvo de mandado de prisão da Operação Câmbio, Desligo. O doleiro está foragido. No sábado passado, agentes da Polícia arrombaram endereços ligados a ele.

+ Dario Messer: o ‘Banco Central’ dos operadores

No parecer, o órgão da Fazenda relatou que, naquele ano, Dan Wolf tinha renda de ‘R$ 1,2 mil, declarada como estudante’.

“Apresentou movimentação suspeita decorrente de crédito de valor expressivo e incompatível com sua capacidade financeira referente a R$ 514 mil em 9 de dezembro de 2013 através de depósito com cheque efetuado pela empresa D3M Consultoria Empreendimentos e Participações Ltda – EPP, na sequência apresentou-se na agência solicitando a emissão de uma TED no mesmo valor recebido”, narrou o Coaf.

Odebrecht usou esquema da ‘Câmbio, desligo’ para repasses a aliados de Temer

Segundo o Conselho, o filho de Dario Messer foi ‘questionado sobre a procedência do recurso’.

“Cliente gaguejou informando ora ser dinheiro de seu primo e logo depois disse que se tratava de dividendos de sua empresa e que iria comprar um imóvel. Ressaltamos que o mesmo não possui empresa cadastrada em seu CPF. Apresentou também comportamento suspeito saindo da agência as pressas e dizendo que não poderia mais esperar, após ter recebido uma ligação”, registrou o Coaf.

O parecer afirma que ‘a TED não foi efetuada, mas recurso saiu da conta através de dois cheque nominais para empresa Matriz 23’.

A ‘Câmbio, Desligo’ aponta que entre 2009 e 2017 foram destinados, por uma ‘sofisticada rede de doleiros’, US$ 24 milhões a Dario Messer.

A mulher do ‘doleiro dos doleiros’ foi beneficiária, segundo as investigações, de ‘operações suspeitas, com depósitos em espécie fragmentados que totalizaram R$ 7,7 milhões em apenas 30 dias no ano de 2016, inclusive do próprio Dario Messer’.

COM A PALAVRA, A DEFESA
A reportagem não localizou a defesa de Dario Messer. O espaço está aberto para manifestação.

Mais conteúdo sobre:

CoafDario MesserCoafDario Messer