Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Executivo da Odebrecht tinha anotação com pagamento para ‘santo’ em obra do governo Alckmin

Política

Executivo da Odebrecht tinha anotação com pagamento para ‘santo’ em obra do governo Alckmin

Executivo da Odebrecht tinha anotação com pagamento para ‘santo’ em obra do governo Alckmin

Manuscrito encontrado na residência de Benedicto Barbosa Junior, da Odebrecht Infraestrutura, indica porcentagem de 5% envolvendo obras da rodovia Mogi-Dutra no Estado de São Paulo

0

Mateus Coutinho e Fausto Macedo

26 Março 2016 | 18h46

mogidutra

Dentre as planilhas  com nomes de políticos e anotações encontradas na residência do presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa, que aparece em vários documentos e mensagens de executivos da empreiteiras identificado pela sigla BJ, a Polícia Federal encontrou uma anotação que faz referência ao pagamento de 5% do valor de um contrato das obras da rodovia Mogi-Dutra do governo Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo, em 2002, para um nome identificado como “santo”.

No texto escrito em uma folha de caderno, há a referência ao “valor da obra”, no total de R$ 68,7 milhões e, logo abaixo a expressão “custos c/ santo = 3.436.500”. A palavra “apóstolo” foi rasurada e substituída por “santo”.

Em fevereiro daquele ano, um dia depois da abertura dos envelopes, o deputado estadual Luís Carlos Gondim (então PV, atualmente no Solidariedade), que tem base eleitoral na região de Mogi das Cruzes, anunciou o resultado da licitação vencida pela Construtora Queiroz Galvão, com o menor preço, de R$ 68,6 milhões.

[veja_tambem]

Na abertura dos envelopes em 2002, a Andrade Gutierrez, a OAS e a Odebrecht apresentaram propostas acima de R$ 70 milhões e foram derrotadas.

O material encontrado na operação Acarajé, 23ª fase da Lava Jato, ainda não foi completamente analisado pela Polícia Federal. O próprio juiz Sérgio Moro, ao decretar sigilo no material encontrado nas investigações e que podem envolvem políticos com foro privilegiado em atos ilícitos, assinalou que é “prematura” qualquer conclusão sobre o que foi encontrado na residência do executivo da Odebrecht.

O material, incluindo a planilha com nomes de mais de 200 políticos associados a pagamentos , que em grande parte não batem com os valores declarados à Justiça Eleitoral, deve ser encaminhado ao Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira, 28.

A Odebrecht Infraestrutura, presidida por Benedicto Barbosa, era uma das empresas do Grupo Odebrecht que cuidava de licitações envolvendo obras públicas em todo o País. O orçamento da empresa corresponde a 20% do orçamento da Construtora Norberto Odebrecht, segundo afirmou o próprio executivo à Polícia Federal, e não participa de licitações na Petrobrás, o que abre o leque das investigações da Lava Jato para outros setores da administração pública federal e também nos Estados.

Por meio de nota divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo, a assessoria do governador de São Paulo disse que não faria comentários sobre o manuscrito que indica a ação de cartel e o suposto pagamento de propina na obra de duplicação da rodovia Mogi-Dutra.

“Quem tem que explicar as anotações mencionadas pela reportagem é quem as fez. A licitação para a referida obra foi vencida pela empresa Queiroz Galvão”, diz.

Cópia da anotação, que foi apreendida pela Polícia Federal em fevereiro, foi encaminhada para o órgão de controle interno no governo estadual, segundo a assessoria.

“Como a regra do governo do Estado é a total transparência, o documento foi enviado para apuração da Corregedoria Geral da Administração”, disse a nota.

 

Mais conteúdo sobre:

Comentários