Ex-tesoureiro do PT confessa a Moro dinheiro não contabilizado nas campanhas

Ex-tesoureiro do PT confessa a Moro dinheiro não contabilizado nas campanhas

Paulo Ferreira, réu da Lava Jato, disse que 'negar informalidades nos processos eleitorais brasileiros de todos os partidos é negar o óbvio'

Fausto Macedo e Julia Affonso

14 Dezembro 2016 | 21h54

Paulo Ferreira. Foto: Sergio Castro/AE

Paulo Ferreira. Foto: Sergio Castro/AE

O ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira confessou ao juiz federal Sérgio Moro nesta quarta-feira, 14, que o PT – e os outros partidos políticos – trabalha com recursos não contabilizados. Réu da Operação Lava Jato, preso desde 23 de junho, Ferreira foi interrogado na Justiça Federal em Curitiba. Ele disse que ‘negar informalidades nos processos eleitorais brasileiros de todos os partidos é negar o óbvio’.

Ferreira foi preso na Operação Abismo, 31.º desdobramento da Lava Jato – neste caso, além do ex-tesoureiro, outros treze investigados são réus. O petista é acusado do recebimento de propinas nas obras do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás (Cenpes).

Durante o interrogatório, nesta quarta, 14, o juiz perguntou ao ex-tesoureiro. “O Partido dos Trabalhadores comumente tem feito declarações públicas de que eles não trabalham com recursos não contabilizados. Salvo engano, na minha compreensão, o sr. está afirmando algo diferente, que havia esses pagamentos, inclusive aqui na sua própria campanha. O sr. saberia explicar essa contradição?”

Paulo Ferreira respondeu. “É um problema da cultura política nacional, dr. Moro. Eu não estou aqui prá mentir prá ninguém. Estou aqui prá ajustar alguma dívida que eu tenha, minha disposição aqui é essa.”

Em seguida, declarou. “Negar informalidades nos processos eleitorais brasileiros de todos os partidos é, na minha opinião, negar o óbvio.”

Moro perguntou. “Inclusive no Partido dos Trabalhadores, na sua campanha?”
“Exatamente”, admitiu Ferreira.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoPT