Empresa da mulher de ‘Dudu’ fez contratos de R$ 288 mi com prefeitura de Belém, diz Procuradoria

Empresa da mulher de ‘Dudu’ fez contratos de R$ 288 mi com prefeitura de Belém, diz Procuradoria

Operação Forte de Castelo investiga fraudes de até R$ 400 milhões na administração do ex-prefeito Duciomar Costa (PTB/2005-2012) e mira contratos de duas empresas de Elaine Pereira durante a gestão do marido

Julia Affonso

05 Dezembro 2017 | 10h42

Duciomar Costa. 2004. Foto: DIDA SAMPAIO/AGÊNCIA ESTADO/AE

A Operação Forte do Castelo investiga duas empresas da mulher do ex-prefeito de Belém Duciomar Costa (PTB), o ‘Dudu’. O Ministério Público Federal, no Pará, identificou que a empresa SBC (Sistema Brasileiro de Construção) firmou contratos com a Prefeitura da capital paraense no montante total de R$ 288 milhões, entre 2009 e 2011. Já a Metrópole Construção e Serviços de Limpeza firmou contratos com o Executivo de Belém sem ter empregados registrados.

Documento

Duciomar foi senador entre 2002 e 2004 e prefeito de Belém entre 2005 e 2012.


Procuradoria vê fraude de ex-prefeito de Belém até em licitação de obra de favela

Grupo que desviou R$ 400 milhões não tinha capacidade financeira, diz PF

Emails mostram que ex-prefeito de Belém orientou assessora a abrir empresa da fraude

“Foram localizadas publicações referentes a nove processos licitatórios e contratos firmados entre a SBC Sistema Brasileiro de Construção Ltda (antiga Varanda Sistemas de Habitação Ltda) e a Prefeitura Municipal de Belém ou suas secretarias. Em razão dos contratos, a SBC Sistema Brasileiro de Construção Ltda ter-se-ia beneficiado com quase R$ 300 milhões”, anotou o juiz da 3.ª Vara Federal Criminal, Rubens Rollo D’Oliveira, ao mandar prender ‘Dudu’.

O ex-prefeito e sua mulher Elaine Pereira foram capturados pela Polícia Federal na sexta-feira, 1. À noite, a Justiça colocou o casal em regime domiciliar.

‘Dudu’ e mais três investigados foram presos temporariamente na sexta-feira, 1.

A PF e a Procuradoria suspeitam que ‘Dudu’ comandava organização criminosa que teria desviado R$ 400 milhões dos cofres públicos por meio de fraudes a licitações durante sua gestão na capital paraense, entre 2005 e 2012, nas secretarias de Comunicação, Habitação e Urbanismo.

O prejuízo já identificado pela Operação Forte do Castelo inclui recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), convênios celebrados com o Ministério do Esporte e repasses do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e do Fundo Nacional de Saúde (FNS).

O Ministério Público Federal relatou ao juiz Rubens Rollo D’Oliveira que Elaine já trabalhou no Senado. A mulher do ex-prefeito foi nomeada em comissão, ao cargo de assessor técnico, com lotação e exercício no gabinete do então senador.

“É a atual companheira do investigado Duciomar, com quem tem um filho de 4 anos”, narrou a Procuradoria da República. “Elaine Pereira é, juntamente com sua irmã Ilza Pereira, sócia da SBC Sistema Brasileiro de Construção LTDA e Metropole Construção e Serviços de Limpeza LTDA, responsáveis por diversas irregularidades na presente investigação.”

A Procuradoria indicou que Duciomar ‘teria envolvimento direto na escolha e aquisição da empresa Varanda Sistemas de Habitação, que, em 2010 passou a se chamar SBC, para que Elaine Baia Pereira, com quem mantinha relacionamento amoroso desde 2007, viesse a se tornar sócia da referida pessoa jurídica e assim, pudesse ser beneficiada com contratos vultosos celebrados com a Prefeitura de Belém/PA, o que efetivamente ocorreu na gestão do ora investigado’.

“A investigação apontou que a filial da empresa SBC em Belém passou a apresentar funcionários cadastrados na RAIS somente a partir de 2008, durante o segundo mandato de Duciomar Costa e que, após o fim do mandato do referido investigado (dezembro/2012), houve um decréscimo considerável em seu quadro de empregados, que foi zerado a partir de 2013, o que indicaria que a movimentação financeira efetiva da empresa decorreu de contratos com a Prefeitura de Belém, e exclusivamente durante a gestão Duciomar Costa”, anotou o juiz Rubens Rollo D’Oliveira.

O magistrado citou também dados da Receita. Segundo o juiz, a empresa Metrópole ‘ganhou contratos da Administração sem ter empregados registrados em seu quadro para executar a obra’.

“Além disso, observou-se que o único contrato da Metrópole no período de 1 de janeiro de 2007 a 31 de dezembro de 2010 foi celebrado com o município de Belém, no vultoso valor de mais de R$ 38 milhões”, apontou o magistrado.

COM A PALAVRA, ‘DUDU’

A reportagem tentou contato com a defesa de Duciomar Costa, o ‘Dudu’. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, ELAINE PEREIRA

A reportagem tentou contato com Elaine Pereira. O espaço está aberto para manifestação.