Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Elias Rosa sai em defesa dos promotores que acusam Lula

Política

Elias Rosa sai em defesa dos promotores que acusam Lula

Politica

LULA

Elias Rosa sai em defesa dos promotores que acusam Lula

Em nota divulgada neste sábado, procurador-geral de Justiça de São paulo defende independência do Ministério Público e prega unidade institucional

0

Fausto Macedo e Julia Affonso

12 Março 2016 | 14h38

Elias Rosa afirma que Procuradoria-Geral de Justiça está encaminhando investigações que citam políticos. Foto: Rafael Arbex/Estadão

Elias Rosa é procurador-geral de Justiça de São Paulo. Foto: Rafael Arbex/Estadão

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa, saiu em defesa dos promotores que acusam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica no caso tríplex. Neste sábado, 12, por meio de nota, Elias Rosa defendeu independência do Ministério Público e pregou unidade institucional.

“É histórica a atuação do Ministério Público brasileiro, em particular o do Estado de São Paulo, em defesa do Estado Democrático de Direito, sendo inegável a contribuição de todos os seus Membros ao aperfeiçoamento do sistema de justiça, da aplicação adequada da lei e do mais elevados preceitos éticos”, afirmou o procurador-geral de Justiça.

Os promotores Cássio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique sustentam que o apartamento 14-A, no Condomínio Solaris, no Guarujá pertence ao petista. Na denúncia, os promotores pediram a prisão preventiva de Lula.

A denúncia contra Lula foi apresentada na quarta-feira, 9. Os promotores de Justiça acusam 16 investigados por irregularidades em empreendimentos da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop). A ex-primeira-dama Marisa Letícia, o filho mais velho do casal, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto estão entre os denunciados.

Para o procurador-geral de Justiça de São Paulo, ‘é louvável que a opinião pública e a comunidade jurídica dediquem atenção e procedam à verificação da atuação do Ministério Público, não sendo razoável, entretanto,a realização de crítica à Instituição e a todos os seus Membros, alimentando iniciativas orientadas à revisão da legislação em vigor ou de entendimentos técnicos concebidos sob o pálio da garantia constitucional da independência funcional’.

A denúncia contra Lula e o pedido de sua prisão preventiva provocaram forte reação em cadeia. Em todo o País eclodiram manifestações em defesa do petista e a favor da medida pleiteada pelos promotores paulistas.

Na sexta-feira, 11, a juíza Maria Priscilla Ernandes, da 4.ª Vara Criminal da Capital, decretou segredo de Justiça do processo.

“É de se aguardar, portanto, a apreciação judicial e que a repercussão gravite unicamente sobre o esclarecimento cabal de todos os fatos e da eventual responsabilização daqueles que a eles deram causa”, afirmou Elias Rosa.

A ÍNTEGRA DA NOTA

CASO BANCOOP – Nota da Procuradoria-Geral de Justiça

Em defesa do Ministério Público do Estado de São Paulo

O Ministério Público do Estado de São Paulo, ciente da repercussão nos meios de comunicação e na sociedade civil, em decorrência da atuação de seus Membros em procedimento de natureza criminal, do qual derivou o oferecimento de denúncia criminal em face do ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e outras pessoas, esclarece e pondera:

1. É histórica a atuação do Ministério Público brasileiro, em particular o do Estado de São Paulo, em defesa do Estado Democrático de Direito, sendo inegável a contribuição de todos os seus Membros ao aperfeiçoamento do sistema de justiça, da aplicação adequada da lei e do mais elevados preceitos éticos.

2. A atuação dos seus Membros na realização de atos investigatórios e na dedução das providências perante o Poder Judiciário realiza-se sob o pálio da independência funcional e vertida unicamente do compromisso de imparcialidade em relação às pessoas e aos fatos.

3. As iniciativas processuais que motivam a repercussão aludida acham-se, agora, sob o crivo da apreciação judicial, tal como impõe o sistema legal brasileiro.

4. Afigura-se oportuna, nesta ocasião, zelar pela unidade institucional, pelo respeito mútuo e pelo efetivo respeito à independência funcional.

5. Afiguram-se, por isso, inadequadas as reflexões em torno do móvel daquelas providências judiciais, revelando postura que não deve alimentar o exercício das elevadas funções ministeriais.

6. Os sistemas de verificação e de controle interno e externo incidentes sobre o acerto ou desacerto da atuação ministerial não podem ser substituídos por expressão da vontade de outros Membros do próprio Ministério Público.

7. É louvável que a opinião pública e a comunidade jurídica dediquem atenção e procedam à verificação da atuação do Ministério Público, não sendo razoável, entretanto,a realização de crítica à Instituição e a todos os seus Membros, alimentando iniciativas orientadas à revisão da legislação em vigor ou de entendimentos técnicos concebidos sob o pálio da garantia constitucional da independência funcional.

8. É de se aguardar, portanto, a apreciação judicial e que a repercussão gravite unicamente sobre o esclarecimento cabal de todos os fatos e da eventual responsabilização daqueles que a eles deram causa.

São Paulo, 12 de março de 2016

Márcio Fernando Elias Rosa

Procurador-Geral de Justiça

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários