Eduardo Carnelós é o novo advogado de Temer

Eduardo Carnelós é o novo advogado de Temer

Com a renúncia de Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, por 'conflito ético', criminalista que já defendeu José Serra assume defesa do presidente, alvo da segunda flechada do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que atribui ao peemedebista organização criminosa e obstrução de Justiça

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

22 Setembro 2017 | 17h24

Michel Temer. Foto: EFE/Joédson Alves

O criminalista Eduardo Pizarro Carnelós é o novo defensor de Michel Temer. Ele foi indicado pelo advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que renunciou à defesa do presidente alegando ‘conflito ético’ porque já defendeu o doleiro Lúcio Funaro – delator que imputa ao peemedebista envolvimento em esquemas de corrupção e enriquecimento ilícito.

Nesta sexta-feira, 22, Temer reuniu-se com Mariz no escritório do criminalista, que ocupa andar inteiro de um prédio da Avenida Paulista esquina com a Alameda Campinas. À reunião estava presente Carnelós. Nela, Temer disse a Mariz que ‘não abre mão’ de seu concurso em outros casos.

OUTRAS DO BLOG: + Liberdade de Joesley e Wesley nas mãos de Gilmar

Tribunal nega a Okamotto anulação do processo que condenou Lula

Procuradoria quer que ex-juiz Nicolau, ex-senador e empresário devolvam R$ 1 bi

Carnelós foi apresentado ao presidente na sexta-feira, 15. Temer estava em sua residência, em São Paulo, onde recebeu Mariz e Carnelós por mais de uma hora.

Eduardo Carnelós (à direita) já atuou para o maestro John Neschling. Foto: Hélvio Romero/Estadão

Naquele primeiro encontro, na semana passada, ficou ajustado preliminarmente que Carnelós assumiria a defesa do presidente, o que ficaria condicionado à remessa ou não à Câmara da nova flechada do então procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Nesta quinta-feira, 21, por 10 votos a 1, os ministros do Supremo Tribunal Federal rejeitaram questão de ordem da defesa do presidente, ainda sob tutela de Mariz, que pretendia barrar a flecha de Janot sob alegação de que ele incluiu na acusação fatos anteriores ao mandato de Temer na Presidência.

A denúncia, por organização criminosa e obstrução de Justiça, chegou à Câmara às 20h31 desta quinta. Consolidou-se, então, a substituição na defesa do peemedebista.

Carnelós é titular de uma banca de advocacia na capital paulista. Ele já advogou para o senador José Serra (PSDB).

Ainda um jovem advogado – mas já dono de um estilo aguerrido e sem meias-palavras -, em 1990 ele denunciou o caso Lubeca, escândalo que marcou a administração Luiza Erundina (então no PT) na Prefeitura de São Paulo (1989/1992). Na ocasião, Carnelós integrava a Secretaria dos Negócios Jurídicos de Erundina, sob comando do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh que acumulava o cargo de vice-prefeito.

O novo advogado de Temer foi presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), mas em 2002 renunciou alegando que era alvo de ‘conspiração’ para não leva-lo à recondução ao cargo.

Ele assume a defesa de Temer em um momento crucial para o presidente, alvo maior da denúncia de Janot. Em 245 páginas e muitos anexos, o procurador acusa o ‘quadrilhão’ do PMDB, incluindo dois ministros, Moreira Franco e Eliseu Padilha, notórios aliados do presidente.

A Câmara tem a prerrogativa de decidir se autoriza ou não abertura de ação penal contra o presidente.

A primeira flechada de Janot, que imputava a Temer corrupção passiva no caso JBS, foi barrada na Câmara.

Mariz teve papel fundamental no primeiro triunfo do presidente. Defendeu, perante os deputados da base e os da oposição, a tese de que o amigo de longa data é inocente e fustigou com determinação a ofensiva do procurador, acusando-o de promover ‘perseguição política’ contra o presidente.

Agora, a defesa de Temer contra a segunda flecha de Janot será promovida por Eduardo Carnelós, apontado por seus colegas como um advogado perspicaz e incisivo, qualificado em matéria penal.

Mais conteúdo sobre:

Michel Temeroperação Lava Jato