1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

Dono de sítio usado por Lula pede que STF suspenda investigação da Lava Jato

Por FAUSTO MACEDO E FERNANDA YONEYA

22/02/2016, 05h00

   

Defesa do empresário Jonas Suassuna, um dos proprietários do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), reclama não ter conseguido fazer cópia de autos em poder da Procuradoria, em Curitiba, e pede para que depoimento marcado para o dia 25 seja cancelado e apurações sejam interrompidas

O empresário Jonas Suassiuna, que pediu para ser ouvido na Lava Jato e depois recorreu ao STF para parar investigação

O empresário Jonas Suassiuna, que pediu para ser ouvido na Lava Jato e depois recorreu ao STF para parar investigação

A defesa do empresário Jonas Suassuna, um dos donos do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), – frequentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e família – apresentou reclamação ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que pede a suspensão do procedimento de investigação criminal da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba, e o adiamento de seu depoimento, marcado para quinta-feira, 25.

“Tendo em vista que está prevista para o dia 25 de fevereiro de 2016, no Ministério Público Federal do Paraná, a oitiva do patrocinado Jonas Leite Suassuna Filho nos autos do procedimento investigatório criminal, sem que dele tenham os reclamantes obtido acesso amplo, e garantida a cópia dos elementos de prova já documentados, requer-se (…) a determinação de sobrestamento do procedimento investigatório (…), abstendo-se a Autoridade Reclamada de praticar qualquer ato de investigação até o julgamento do mérito da presente reclamação, sobrestando-se, inclusive, a oitiva acima aludida”, pediu a defesa de Suassuna, em reclamação do dia 19, sexta-feira.

Os defensores de Suassuna pedem a suspensão do procedimento investigatório criminal, alegando que a Procuradoria da República, no Paraná, impediu acesso aos autos contrariando súmula vinculante nº 14 do STF.
Suassuna é um dos donos do sítio é frequentado por Lula. A Lava Jato investiga obras feitas na propriedade por empreiteiras do cartel que acusado de corrupção na Petrobrás – Odebrecht e OAS -, como compensação às por contratos firmados com o governo. O empresário e o outro dono do sítio, Fernando Bittar – filho do ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar (PT) – são sócios de um dos filhos do ex-presidente, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha.

Assinada pelos criminalistas Ary Bergher, Raphael Mattos, Mauro Gomes de Mattos, Fabio Dias e Daniela Senna, a reclamação foi encaminhada ao presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski.

Os defensores reclamam que a Procuradoria da República “decidiu conceder apenas vista do procedimento, condicionada, ainda, a determinado dia e lugar”. “A advogada obteve vista dos autos, contudo, não lhe foi autorizado retirar de cópias, ainda que por meio fotográfico.”

No dia 15, após ser divulgada a autorização dada pelo juiz federal Sérgio Moro – que conduz os processos da Lava Jato em primeiro grau -, a defesa de Suassuna divulgou petição em que informava que o empresário queria ser ouvido o mais cedo possível. Também diz ter tornado disponíveis os sigilos bancário e telefônico de Suassuna, a partir da data que os investigadores julgarem conveniente.

Um dos alvos do inquérito que envolvem a família do ex-presidente Lula, o procedimento tem três volumes e dezesseis apensos. Há ainda “mais de dez horas de depoimentos audiovisuais”, segundo a defesa de Suassuna.

“Houve uma clara restrição ao direito dos ora reclamantes, na qualidade de advogados constituídos nos autos de um procedimento investigatório criminal em trâmite no Ministério Público Federal do Paraná, de terem acesso amplo aos elementos de prova já documentados, na medida em que foram, como continuam, impedidos de extrair cópia reprográfica dos autos, ou mesmo de obter fotografia, limitando-os a simples vista, com dia e lugar marcados”, informa a reclamação apresentada ao STF.

(Visited 8 time, 2 visit today)

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.