Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Dono da OAS admite fazer delação premiada

Política

Dono da OAS admite fazer delação premiada

Politica

LéO PINHEIRO

Dono da OAS admite fazer delação premiada

Um dos empresários mais próximos do ex-presidente Lula, Léo Pinheiro teme ser preso novamente. Ele contaria detalhes sobre obras feitas em dois imóveis para a família do petista

0

Andreza Matais, Fábio Fabrini e Fausto Macedo

02 Março 2016 | 13h38

Ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro. FOTO: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro. FOTO: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O empresário José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, dono da empreiteira OAS, admitiu a pessoas próximas fechar um acordo de delação premiada com investigadores da Procuradoria-Geral da República responsáveis pela Operação Lava Jato.

Um dos empresários mais próximos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Léo Pinheiro deve contar, numa eventual colaboração, detalhes sobre o esquema de corrupção na Petrobrás e sobre obras feitas pela empreiteira em imóveis de Atibaia (SP) e do Guarujá (SP) para a família do petista.

O acordo com os investigadores ainda não foi formalizado, segundo interlocutores do empresário ouvidos pelo Estado, mas voltou ao radar do empreiteiro depois que o Supremo Tribunal Federal, em novo entendimento, autorizou a execução de penas de prisão após a confirmação de sentenças em segunda instância – antes, isso ocorria com o esgotamento de todos os recursos da defesa.

Outro fator levado em consideração foi a apreensão, pela Polícia Federal, de mensagens de texto de celular trocadas por Léo Pinheiro com outros executivos e políticos. A avaliação é de que o material pode comprometê-lo ainda mais na Operação Lava Jato, fundamentando novo decreto de prisão.

[veja_tambem]

Léo Pinheiro foi condenado a 16 anos e quatro meses de prisão por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobrás e aguarda decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) a respeito. A corte tem confirmado decisões tomadas pelo juiz Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato na 1.ª instância.

Léo Pinheiro foi preso preventivamente na Lava Jato em novembro de 2014, juntamente com outros empreiteiros do País. Ele chegou a cogitar delação premiada, mas foi solto no ano passado, por ordem do Supremo Tribunal Federal, sem concretizar a colaboração, o que agora volta a avaliar. Eventual colaboração deve incluir outros executivos da OAS.

Apurações. Em Curitiba, base da Lava Jato na 1.ª instância, procuradores não comentam negociações em andamento. A possibilidade de um acordo com Léo Pinheiro é considerada importante nas investigações envolvendo imóveis ligados a Lula.

Apesar de sondagens das defesas, investigadores não abrem mão da entrega de novas provas sobre suposta lavagem de dinheiro por meio da compra e reforma do sítio Santa Bárbara e do tríplex 164-A no Guarujá. / COLABOROU RICARDO BRANDT

Mais conteúdo sobre:

Comentários