Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Doleiro confirma elo do mensalão com a Lava Jato

Política

Doleiro confirma elo do mensalão com a Lava Jato

À Justiça Federal no Paraná, Alberto Youssef afirmou que ex-deputado José Janene (PP-PR) mandava repassar valores para 'agentes públicos, agentes políticos'

Redação

10 Novembro 2014 | 22h39

Por Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

O doleiro Alberto Youssef, alvo da Operação Lava Jato, confirmou nesta segunda-feira, 10, à Justiça Federal o elo do Mensalão do PT com o esquema de corrupção e propinas na Petrobrás. Ele disse que mantinha uma conta corrente conjunta com o ex-deputado José Janene (PP-PR) – réu do mensalão e que morreu em 2010 -, responsável pela indicação de Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera, em 2004.

Youssef declarou que, por orientação de Janene, repassava valores a “agentes públicos, agentes políticos” e usava para isso um segundo doleiro, Carlos Habib Carter, dono do Posto da Torre, em Brasília, para entregar os valores. Ele disse que parte do dinheiro vinha do caixa de construtoras.

O juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato, perguntou a ele qual a origem do dinheiro. “Comissionamento de empreiteiras”, declarou Youssef. O juiz perguntou: “Decorrente de contratos com a administração pública, em geral propinas?” Youssef respondeu: “Sim senhor, Excelência.”

VEJA A PRIMEIRA PARTE DO DEPOIMENTO DE YOUSSEF NESTA SEGUNDA

“Tudo o que o seu Janene precisava de recursos ele pedia a mim e eu disponibilizava”, contou Youssef. “Às vezes essa conta ficava negativa, às vezes ficava positiva. Na verdade nessa conta também ia recurso para outras pessoas, não que eu administrasse os recursos dessas outras pessoas, mas eu via esse caixa como caixa do partido, o Partido Progressista.”

O doleiro não citou nome de nenhum agente público ou agente político. Tais nomes ele já citou em acordo de delação premiada que ainda terá de ser homologado pela Justiça. Youssef é réu em cinco ações penais da Lava Jato na Justiça Federal no Paraná. Em uma ação, ele é acusado de ter participado da lavagem de R$ 1,16 milhão do mensalão do PT através de investimentos em uma empresa de equipamentos industriais situada em Londrina (PR).

A ação penal em que Youssef depôs nesta segunda trata da ligação do doleiro com o ex-deputado Janene e com o doleiro Carlos Habib Charter. Youssef afirmou que Janene investiu na empresa de Londrina por meio de outra companhia ligada a ele, a CSA Project. Essa firma foi usada para receber recursos do fundo de pensão da Petrobrás, a Petros, alvo da Lava Jato.

ABAIXO, A SEGUNDA PARTE DO DEPOIMENTO DE YOUSSEF