Dia do Trabalho reúne 2 mil em ato pró-Lula na PF em Curitiba

Dia do Trabalho reúne 2 mil em ato pró-Lula na PF em Curitiba

Manifestantes se reuniram com acampados em vigília, desde que ex-presidente foi preso há 24 dias, pela manhã, antes de ato que reúne CUT e Força Sindical na capital da Lava Jato

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

01 Maio 2018 | 14h23

Ato em defesa de Lula no Dia do Trabalho. Fotos: Ricardo Brandt/Estadão

Cerca de 2 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, fizeram o maior ato em defesa da liberdade de Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato, desde que ele foi encarcerado na sede da Polícia Federal, em Curitiba – há 24 dias. Sindicalistas, petistas, integrantes do MST e apoiadores e simpatizantes lotaram as ruas do acesso principal da polícia desde a manhã desta terça-feira, 1.

Desde a tarde de ontem, 37 ônibus com sindicalistas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e do interior do Paraná chegaram em Curitiba para o primeiro ato unificado das sete maiores centrais sindicais no Dia do Trabalho – CUT, Força Sindical, CTB, NCST, UGT, CSB e Intersindical.

Logo cedo, um dos sindicalistas que viajou para Curitiba caminhou até a sede da PF, onde um grupo de menos de 100 pessoas ainda permanece acampado, a cerca de um quilômetro do prédio onde Lula está preso, em vigília. Todos os dias, o grupo se concentra em uma encruzilhada de acesso ao portão principal da polícia, onde fica montada toda estrutura operacional do acampamento (como ponto de donativos, setor de comunicação, organização etc). É nesse ponto em que são feitos os atos, os discursos e os tradicionais gritos de saudação matinais: “Bom dia, presidente Lula” – hoje repetido sete vezes em coro e megafones.

+ Defesa pede outra vez a Tribunal da Lava Jato que Lula ‘deixe a prisão’

+ Palocci deu propina da Odebrecht para dar ‘perenidade’ a ‘relação criminosa’ com PT

Com o ato de 1.º de Maio, foram pelo menos quatro “Bom dias” ao presidente, muitos discursos de políticos que passaram pelo local, um ato ecumênico, cantorias, gritos de guerra em apoio a Lula e por sua liberdade e muitos xingamentos ao juiz federal Sérgio Moro, titular da Lava Jato, à juíza Carolina Moura Lebbos, responsável pela execução da pena do ex-presidente, aos procuradores e “à mídia golpista”.

O ex-governador da Bahia, amigo e um dos possíveis nomes de plano B do PT para substituir Lula na corrida eleitoral ao Planalto, passou pelo local, onde discursou. “Não temos plano B, nem C, X, Y ou Z. Nosso plano é Lula livre, Lula candidato e Lula presidente”, repetiu Wagner, aos manifestantes.

Wagner enalteceu os “40 milhões de pessoas” que Lula tirou da extrema pobreza e falou do momento único do ato. “Nos veremos um movimento como nunca tenhamos visto. Esse 1.º de Maio tem a cara daquele que levantou a classe operária à partir das greves do ABC.”

Passaram ainda pelo ato o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, outro nome cotado para ser o candidato do PT na disputa presidencial, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do partido, e outros políticos. O ato que conta com a participação das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo foi organizado para ser o maior evento do Dia do Trabalho. Durante a semana os organizadores falaram em reunir 25 mil pessoas na capital paranaense.

Para Haddad, Lula seria eleito se pudesse disputar o cargo de presidente. Mesmo inelegível pela Lei da Ficha Limpa, ele pode registrar sua candidatura até 15 de agosto. “Por que privar o trabalhador do direito de escolher? Se as pessoas tivessem direito, elas votariam no Lula presidente”, discursou.

+ Sindicalista ferido em acampamento pró-Lula tem alta da UTI

Os dois falaram em ato do Dia do Trabalho em Curitiba, em frente ao prédio da Polícia Federal, onde Lula está preso desde o dia 7 de abril. A senadora Vanessa Grazziotin(PCdoB-AM), a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e o presidente do diretório do PT no Paraná, Dr. Rosinha, também participam da manifestação.

+ Raquel denuncia Lula, Gleisi e Palocci por US$ 40 mi da Odebrecht

Na pesquisa Datafolha mais recente, de 15 de abril, Wagner teve 1% das intenções de voto no 1º turno. Outra alternativa petista, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad alcançou 2%. O ex-presidente Lula continuava na frente com até 31% das intenções de voto.

Por volta das 12h, o grupo se dispersou e seguiu – parte de ônibus, parte em caminhada – até a Praça Santos Andrade, na região central de Curitiba, onde ocorre à tarde o evento do Dia do Trabalho. O primeiro ato unificado dos sindicatos, tem como bandeira a “Defesa dos Direitos e por Lula Livre”.