1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Delegados da PF condenam ‘ingerência’ de novo ministro da Justiça na Lava Jato

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Fernanda Yoneya

17/03/2016, 05h30

   

Grampos mostram, na avaliação dos policiais, que Eugênio Aragão teria a 'intenção de interferir nas ações da Polícia Federal'

Eugênio Aragão. Foto: André Dusek/Estadão

Eugênio Aragão. Foto: André Dusek/Estadão

Os delegados de Polícia Federal manifestaram nesta quarta-feira, 16, “total indignação e repulsa” diante do conteúdo de grampos da Operação Aletheia, desdobramento da Lava Jato que pegou o ex-presidente Lula. Os delegados miram no novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, que teria revelado intenção de interferir nas ações da PF.

Em nota, a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) destaca trechos das interceptações de conversas do ex-presidente “a respeito do subprocurador-geral da República, Eugênio de Aragão, recém-nomeado para o cargo de Ministro de Estado da Justiça”.

“Na gravação, já tornada pública pela 13.ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, fica claro a intenção de que o nomeado interfira nas ações da Polícia Federal.”

“É lamentável constatar que agentes públicos, que deveriam agir com imparcialidade, transparência e moralidade, para a garantia da aplicação da Constituição Federal e das Leis, queiram praticar atos de ingerência política numa das mais importantes investigações em curso no país”, assinalam os delegados.
A nota diz que a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal “já havia alertado sobre o risco de interferência política na Polícia Federal em razão da falta de autonomia da instituição”.

“Restou comprometida, desta forma, a indicação de Eugênio Aragão para o cargo de Ministro da Justiça, diante da demonstração de que teve por finalidade controlar as ações da Polícia Federal.”

Os delegados, ‘ante esses estarrecedores fatos’, reiteram urgência da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 412/2009 (PEC 412/2009), que estabelece a autonomia para a Polícia Federal, “garantindo que continuará a atuar de forma republicana e firme no combate ao crime organizado e à corrupção”.