Delegado prega autonomia da PF

Delegado prega autonomia da PF

Carlos Eduardo Miguel Sobral, eleito com 97,15% dos votos presidente da Associação dos Delegados da PF, anuncia como meta 'independência funcional' da classe

Fausto Macedo e Julia Affonso

10 Outubro 2015 | 16h00

Foto: Reprodução/Sindicato dos Delegados da Polícia Federal

Foto: Reprodução/Sindicato dos Delegados da Polícia Federal

Com 97,15% dos votos, Carlos Eduardo Miguel Sobral foi eleito o novo presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF). Desde 2003 na carreira, Sobral avalia que os delegados de Polícia Federal, por meio da entidade, alcançaram conquistas importantes no campo legislativo. Mas ele reconhece que ‘ainda há muito a fazer’. Fortalecer a independência funcional do delegado e a autonomia da Polícia Federal são os maiores desafios para a nova gestão. “Precisamos que todos estejamos unidos na defesa da nossa instituição, do nosso cargo e em favor de toda a sociedade”, afirma.

Pela segunda vez consecutiva a entidade apostou na votação eletrônica para escolha dos representantes nacionais e regionais. Ao todo, 736 associados exerceram seu direito ao voto e elegeram Sobral com quase 100% de adesão. Foram 715 votos a favor e apenas 21 contra.

1016_diretoria2-adpf

Fonte: ADPF

Sobral é natural de Taquaritinga (SP) e tem 38 anos. Ingressou na Polícia Federal em 2003 como delegado, tomou posse na Superintendência de Rondônia, onde chefiou a Delegacia de Defesa Institucional (Delinst) até 2007, ano em que foi removido a Brasília para Coordenação-Geral de Polícia Fazendária.

Em 2014, Carlos Eduardo Sobral foi cedido ao Ministério da Justiça para atuar na Coordenação-Geral de projetos de Tecnologia da Informação da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE).

Desde 2008 participa ativamente da Associação. No mesmo ano foi eleito Diretor Regional no Distrito Federal (ADPF/DF). De 2009 a 2011 integrou a Diretoria Executiva na função de 1º secretário. De 2011 a 2013 exerceu a função de Diretor de Prerrogativas da ADPF.

Na última gestão esteve diretamente ligado ao presidente Marcos Leôncio como assessor da Presidência e membro da Diretoria Executiva.

“Avançamos muito nos últimos anos. A ADPF se tornou referência na defesa dos Delegados e da PF. Obtivemos conquistas no campo legislativo, promovemos uma maior integração entre os aposentados e os ativos e uma maior defesa das mulheres e das prerrogativas”, destacou o novo presidente.

A posse da nova Diretoria Nacional será realizada no dia 3 de Dezembro (Dia do Delegado de Polícia), na sede da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, em Brasília.