Delator dos US$ 100 milhões tira tornozeleira

Delator dos US$ 100 milhões tira tornozeleira

Pedro Barusco, que confessou ligação com esquema de propinas na Petrobrás, já está livre do monitoramento

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

11 Abril 2018 | 15h57

Ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Pedro Barusco, emblemático delator da Operação Lava Jato, recebeu autorização judicial para tirar a tornozeleira eletrônica que o manteve sob monitoramento nos últimos dois anos. A decisão é da juíza da 12ª Vara de Execuções Penais de Curitiba Carolina Lebbos.

Documento

Barusco era gerente de Engenharia da Diretoria de Serviços da Petorbrás, então sob comando de Renato Duque.

Alvo da Lava Jato, Barusco se livrou da prisão ao fechar acordo com a Procuradoria.

Ele confessou ter recebido propinas de US$ 100 milhões de empreiteiras que integraram o cartel que assumiu o controle de contratos bilionários da Petrobrás.

O próprio Barusco abriu mão da fortuna que amealhou de forma ilícita. Os US$ 100 milhões que depositou em contas na Suíça já foram repatriados.

Ao autorizar Barusco sem tornozeleira, a juíza Carolina Lebbos advertiu. “Fica o executado advertido de que o cumprimento da pena sob o novo regime baseia-se na sua autodisciplina e senso de responsabilidade. No caso de descumprimento injustificado, estará sujeito o executado à regressão de regime e a não extensão do benefício a outras eventuais condenações, consoante os termos da sentença condenatória e do acordo de colaboração premiada homologado.”

Mais conteúdo sobre:

Pedro Baruscooperação Lava Jato