1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

Delator diz que viajou com Silvio Pereira em avião da GDK para levar propina para campanhas

Por Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Julia Affonso

23/01/2016, 05h21

   

Fernando de Moura, empresário e amigo de José Dirceu, disse ao juiz da Lava Jato que a bordo de aeronava visitou Rio, Vitória, Cariacica e Fortaleza, em 2004, para entregar dinheiro com o então secretário-geral do PT

O ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira. Foto: Jamil Bittar/Reuters

O ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira. Foto: Jamil Bittar/Reuters

O empresário e lobista Fernando de Moura – ligado ao PT e amigo do ex-ministro José Dirceu – afirmou ao juiz federal Sérgio Moro, nesta sexta-feira, 22, que no ano de 2004 usou um avião emprestado pela empreiteira GDK para viajar por três Estados junto com o ex-secretário-geral do partido Sílvio Pereira para distribuir dinheiro para campanhas eleitorais.

“R$ 750 mil foi para a campanha eleitoral”, disse Moura, interrogado como réu no processo que tem como alvo central o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula). “A gente levou isso para o Rio de Janeiro para Vitória, para Cariacica e depois para Fortaleza para distribuir na campanha. Fui eu e o Sílvio em um avião cedido pelo César (Oliveira, presidente) da GDK.”

Fernando Moura encobriu o rosto no dia de sua prisão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

Fernando Moura encobriu o rosto no dia de sua prisão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

Delator da Lava Jato, Moura foi ouvido pela primeira vez por Moro em audiência realizada nesta sexta-feira, 22, na Justiça Federal em Curitiba, base da missão Lava Jato. O dinheiro “decorria dos contratos com a Petrobrás”.
Moura citou ainda que em outra ocasião, passou na sede da Camargo Corrêa para retirar dinheiro para o PT. “O Silvio pediu que eu passasse na Camargo que eles iam doar R$ 300 mil para levar para o Rio de Janeiro”

O valor, segundo ele, foi uma doação não oficial da empreiteira. “Só os R$ 300 da Camargo foi doação extraoficial. Não foi comissão (por contratos na Petrobrás).”

Moura disse ter buscado dinheiro com o lobista Julio Camargo, como representante da empreiteira Camargo Corrêa, em três ocasiões. Julio Camargo também é delator da Lava Jato e confessou intermediar propina.

Não é a primeira vez que Silvio Pereira tem seu nome associado à GDK Engenharia – também alvo da Lava Jato. Cesar Oliveira, dono da empresa protagonizou um outro capítulo emblemático da política brasileira. Foi ele quem presenteou o ex-secretário-geral do PT com um Land Rover, avaliado em R$ 74 mil, em 2005.  O partido atravessava sua pior crise com o estouro do escândalo do Mensalão e Pereira teria recebido o carrão em troca de facilitação para o empresário na Petrobrás.

Delubio. Moura apontou contratos da Petrobrás em que negociou propina com Silvio Pereira e com o ex-diretor de Serviços da estatal Renato Duque – indicação do ex-ministro José Dirceu. Os valores de 3% de comissão em relação aos pagamentos era dividida entre o PT, executivos da Diretoria de Serviços e para ele. “Silvio e Delúbio eram as pessoas que recebiam em nome do partido.”

Silvio Pereira e Delúbio Soares não foram localizados para comentar o assunto.

(Visited 6 time, 1 visit today)

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.