Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Delator cita entrega de R$ 300 mil a diretor da UTC para repasse a Aécio

Política

Delator cita entrega de R$ 300 mil a diretor da UTC para repasse a Aécio

Delator cita entrega de R$ 300 mil a diretor da UTC para repasse a Aécio

Carlos Alexandre de Souza Rocha, um dos carregadores de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, disse em delação premiada ter levado o dinheiro a um diretor da empreiteira no Rio que informou que o montante seria encaminhado ao senador do PSDB

0

Beatriz Bulla e Fábio Fabrini, de Brasília

30 Dezembro 2015 | 17h13

O senador Aécio Neves (PSDB-MG). Foto: Divulgação.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG). Foto: Divulgação.

Carlos Alexandre de Souza Rocha, um dos entregadores de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, disse em delação premiada ter entregue R$ 300 mil a um diretor da UTC no Rio de Janeiro que informou que o montante seria encaminhado ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). A delação do emissário de Youssef foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Rocha, conhecido como Ceará, disse ter feito quatro entregas de dinheiro no Rio de Janeiro em 2013. Em todos os encontros, ele era orientado a procurar um diretor da UTC local chamado Miranda. Em uma das últimas entregas, onde levava R$ 300 mil em dinheiro, passou para a sala do dirigente sem precisar se identificar para a secretária e encontrou o diretor “bastante ansioso”.

Na entrega do dinheiro, o diretor da UTC teria dito, segundo Ceará “Tira, tira, tira o dinheiro! Eu já liguei mil vezes para o Walmir atrás desse dinheiro”, com referência ao nome de Walmir Pinheiro, também dirigente da empresa e braço direito do dono da empreiteira, Ricardo Pessoa. Após receber os R$ 300 mil, Miranda saiu da sala e foi a outro local da empresa. Ao retornar, Ceará perguntou: “por que essa agonia por esse dinheiro?”. O diretor da empreiteira teria respondido que estava sendo cobrado pelo senador Aécio Neves, que seria o destinatário dos valores.

Aos investigadores da Lava Jato, Carlos Alexandre de Souza Rocha narrou o suposto diálogo com o diretor da UTC: “Que Miranda respondeu, fazendo um desabafo: ‘Ainda bem que esse dinheiro chegou, porque eu não aguentava mais a pessoa me cobrando tanto’; que, em seguida, o declarante perguntou: ‘Quem é essa pessoa?’; Que Miranda respondeu de pronto: ‘Aécio Neves’, Que diante disso, o declarante perguntou: ‘E o Aécio Neves não é da oposição?’; Que Miranda respondeu: ‘Ceará, aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, pessoal de cima do muro, pessoal do meio de campo, todo mundo.’; Que Miranda demonstrou irritação diante da cobrança que estava sofrendo em relação a esse dinheiro; Que o declarante perguntou: ‘Oxente! E Aécio Neves num mora em Minas Gerais?’; Que Miranda respondeu: ‘Aécio Neves tem um apartamento aqui. Ele vive muito no Rio de Janeiro’”.

A menção do delator a Aécio Neves foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira. Ceará prestou os depoimentos entre o final de junho e o início de julho deste ano, na Procuradoria-Geral da República. As declarações foram mantidas sob sigilo pelo Supremo Tribunal Federal (STF) até este mês, quando o relator da Lava Jato na Corte, ministro Teori Zavascki, retirou o segredo da documentação.

Também em delação premiada, o diretor Walmir Pinheiro foi questionado pelos investigadores sobre um dirigente da UTC chamado Miranda. Na ocasião, Pinheiro mencionou que é um diretor comercial da UTC na sede do Rio de Janeiro, chamado Antônio Carlos D’Agosto Miranda, responsável por guardar e entregar valores a pedido dele ou do dono da empresa, Ricardo Pessoa. Ainda segundo Pinheiro, “pode ter acontecido algum episódio” em que Miranda fosse informado sobre os destinatários finais do dinheiro entregue, como forma de exigir o pagamento rápido ou demonstrar a gravidade de uma situação.

COM A PALAVRA, O SENADOR AÉCIO NEVES

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do senador Aécio Neves classificou como “absurda e irresponsável” a citação ao tucano “sem nenhum tipo de comprovação”. De acordo com a assessoria, a citação a Aécio já foi desmentida pela própria UTC, que informou que a acusação não tem fundamento, pelo dono da empresa, Ricardo Pessoa, que não citou Aécio em delação premiada e por Youssef, que disse por meio de advogado que não conhece o senador.

“A falsidade da acusação pode ser constatada também pela total ausência de lógica: o senador não exerce influência nas empresas do governo federal com as quais a empresa atuava e não era sequer candidato à época mencionada. Além disso, a UTC não executou nenhuma obra vinculada ao Governo de Minas Gerais no período em que o senador governou o estado. O senador não conhece a pessoa mencionada e de todas as eleições que participou a única campanha que recebeu doação da UTC foi a de 2014, através do comitê financeiro do PSDB”, informou a assessoria de Aécio, que classifica a menção ao tucano como uma “falsa denúncia com claro objetivo de tentar constranger o PSDB”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Mais conteúdo sobre:

Comentários