Defesa vê ‘açodamento’ de procuradores que querem investigar Alckmin sem foro

Defesa vê ‘açodamento’ de procuradores que querem investigar Alckmin sem foro

Advogado José Eduardo Alckmin, que representa o ex-governador, diz que se surpreendeu com a ofensiva da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo 'já que o processo está tramitando normalmente'

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

11 Abril 2018 | 14h42

Ex-governador Geraldo Alckmin em cerimônia de entrega da estação Adolfo Pinheiro, da linha 5- Lilás do Metrô, acompanhado pelo secretário de transportes Jurandir Fernandes.FOTO SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

A defesa do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou, nesta quarta-feira, 11, ver ‘açodamento’ na ofensiva da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo, que pediu – ‘o mais rápido possível’ – que o inquérito contra o tucano deixe a Procuradoria-Geral da República e seja deslocado para competência dos procuradores federais em São Paulo.

+ Procuradoria pede abertura de inquérito contra Alckmin no STJ com base em delação da Odebrecht

O advogado José Eduardo Alckmin, que defende o ex-governador, diz que se ‘surpreendeu com a notícia do açodamento de setores do Ministério Público Federal, já que o processo está tramitando normalmente e será remetido, em termo oportuno, para instância competente’.

+ Alckmin usou cunhado para pegar R$ 10,3 mi do setor de propinas da Odebrecht, dizem delatores

O advogado é taxativo. “Espera-se que a apuração dos fatos continue a ser feita de forma isenta e equilibrada, sem contaminação política. Ela repele a ideia que o inquérito, enquanto tramitou no STJ e na PGR, tenha servido de ‘blindagem’ para o ex-governador”, afirma.

+ Codinome para doação de caixa 2 da campanha de Alckmin começou com ‘Salsicha’ e virou ‘M&M’

O ex-governador é citado por delatores da Odebrecht como suposto beneficiário de recursos para campanha eleitoral. O cunhado do tucano, Adhemar Cesar Ribeiro, também é alvo da investigação.

+ Delator da Odebrecht indica caixa 2 ligado a obra da Sabesp

O documento da Lava Jato que quer assumir a investigação sobre o tucano é subscrito por nove procuradores da República.

A força-tarefa da Lava Jato em São Paulo requereu ao subprocurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, representante do Ministério Público Federal na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, que remeta o inquérito de Alckmin que tramita na corte à Procuradoria em São Paulo.

Alckmin renunciou ao cargo na última sexta-feira, 6, para disputar a indicação de seu partido na corrida pela Presidência. Dessa forma, ele perdeu o foro por prerrogativa de função.

De acordo com os delatores da empreiteira, Alckmin teria usado Adhemar para o recebimento de R$ 10,5 milhões do departamento de propinas da Odebrecht.

As investigações sobre o tucano eram de competência do Superior Tribunal de Justiça até o último dia em que permaneceu no Palácio dos Bandeirantes.

Mais conteúdo sobre:

Geraldo Alckminoperação Lava Jato