Defesa de ex-diretor da Petrobrás entra com novo pedido de habeas corpus

Mateus Coutinho

25 Março 2014 | 19h08

Paulo Roberto Costa, preso na Operação Lava Jato, está preso em Curitiba (PR) desde a semana passada, indiciado por corrupção passiva

por Fausto Macedo

A defesa do ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, entrou nesta terça feira, 25, com novo pedido de habeas corpus junto ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (Rio Grande do Sul) sob o argumento de que sua prisão é “ilegal”.

Costa está preso em Curitiba desde a semana passada.

O advogado Fernando Fernandes considera a prisão de Paulo Roberto ilegal, “porque foi fundamentada em ilações e incentivada por oportunismos políticos, aos quais não cabe defesa”.

Ele sustenta, ainda: “Paulo Roberto serviu à Petrobrás e ao País durante 35 anos e seu patrimônio vem de sua longa carreira profissional e de sua empresa depois de aposentado.”

Segundo o advogado, o ex-diretor da Petrobrás “não patrocinou nem arrecadou valores para qualquer campanha política e também não recebeu qualquer valor enquanto esteve na Petrobras”.

Além do recurso junto ao TRF4, Fernando Fernandes irá impetrar novo habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça.