1. Usuário
Assine o Estadão
assine


CPI da Petrobrás pede a juiz da Lava Jato que autorize depoimento de Duque

Redação

16 março 2015 | 18:09

Em petição ao juiz Sérgio Moro, secretário-executivo da comissão solicita custódia e remoção do ex-diretor de Serviços da Petrobrás para Brasília

Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Andreza Matais

O secretário-executivo da CPI da Petrobrás, Manoel Alvim, pediu nesta segunda-feira, 16, ao juiz Sérgio Moro, que conduz todas as ações da Operação Lava Jato, para que sejam determinados a custódia e o translado do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque para Brasília. Duque foi preso pela Polícia Federal no Rio e transferido para Curitiba (PR), base das investigações da Operação.

Duque foi preso nesta segunda-feira, no Rio. Foto: Fábio Motta/Estadão

Duque foi preso nesta segunda-feira, no Rio. Foto: Fábio Motta/Estadão

A Comissão foi criada na Câmara dos Deputados para investigar o esquema de corrupção envolvendo a estatal, desbaratado pela força-tarefa da Lava Jato. No início do mês, a CPI havia decidido ouvir Renato Duque. Ele foi convocado para prestar depoimento em audiência marcada para quinta-feira, 19, a partir das 9h30.

No ofício ao juiz da Lava Jato, o secretário da CPI da Petrobrás argumentou. “Solicitamos a necessária interveniência de V.Exa. para que o preso possa ser notificado da decisão da CPI, assim como para que seja determinada, com a brevidade necessária, a sua custódia temporária e traslado para Brasília, a cargo da Polícia Federal, garantindo-se assim que o preso seja inquirido nos termos da lei, no dia e hora aprazados, alternativamente nas dependências da Superintendência Regional da Polícia Federal em Brasília ou nas dependências do Ministério Público”, pediu Alvim.

Segundo investigadores da Lava Jato, Duque é o elo do PT com o esquema de desvio de dinheiro na Petrobrás. O protagonismo de Duque foi reafirmado na última terça-feira (10) pelo o ex-gerente executivo da Diretoria de Serviços da Petrobrás Pedro Barusco em depoimento à CPI.

O ex-diretor Renato Duque foi preso pela segunda vez nesta segunda feira, 16. Na primeira vez, em novembro do ano passado, ele questionou a seu advogado, por telefone: “Que País é esse?”. A frase batizou a décima fase da Operação, deflagrada hoje.

VEJA O PEDIDO DA CPI DA PETROBRÁS

___________________________________

VEJA TAMBÉM:

PF apreende 131 obras de arte na casa de Duque

‘Que País é esse?’ prende ‘Marcos Valério’ do esquema Delta

Defesa diz que vai pedir revogação da ordem de prisão de Duque

Reação de Duque ao ser preso pela 1ª vez inspira nome da nova etapa da Lava Jato

_____________________________________