Contadora diz ter visto ex-ministro de Dilma em escritório de doleiro

Meire Poza afirmou à Justiça Federal que ex-ministro Mário Negromonte (Cidades) e deputado cassado André Vargas frequentaram a empresa de Alberto Yosssef

Redação

03 Fevereiro 2015 | 21h18

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Julia Affonso 

A contadora Meire Poza, que trabalhava para o doleiro Alberto Youssef, afirmou em seu depoimento à Justiça Federal na tarde desta terça-feira, 3, que viu o ex-deputado do PT André Vargas e o ex-ministro de Cidades Mário Negromente, do PP, no escritório do doleiro Alberto Youssef, em São Paulo.  

“Eu vi uma ou duas vezes”, disse ao ser questionada se tinha visto algum político no escritório de Youssef, situado à rua Renato Paes de Barros, no Itaim, zona sul de São Paulo. “Vi o senhor André Vargas na época e Mário Negromonte.” No depoimento, contudo, não fica claro se a contadora encontrou Negromonte no período em que ele era ministro das Cidades, cargo que exerceu de 2011 a 2012.

Ambos são ex-parlamentares e, portanto, não possuem foro privilegiado. Não é a primeira vez que os seus nomes aparecem envolvidos na Lava Jato.  Negromonte foi citado na delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, como um dos beneficiários do esquema de propina da estatal. Além disso, seu irmão, Adarico Negromonte, é réu na Justiça Federal acusado de atuar como o transportador de dinheiro para Youssef.

Vargas, que também foi expulso do PT, teve seu mandato cassado pela Câmara no final do ano passado por quebra de decoro parlamentar devido ao seu envolvimento com Youssef. Ele apareceu em trocas de mensagens com o doleiros interceptadas pela PF, fez lobby para o laboratório Labogen, utilizado por Youssef para fazer remessas ao exterior, no Ministério da Saúde e ainda utilizou um avião fretado pelo doleiro para viajar de férias com a família para Paraíba no final de 2013.

A contadora foi ouvida pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz os ações da Lava Jato, na ação penal que envolve os executivos da construtora Engevix, com o esquema de corrupção e propina na Petrobrás envolvendo o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa e Youssef.

Notas Frias. Meire confirmou que uma das empresas do doleiro Alberto Youssef forneceu nota para a Engevix, por serviços não prestados. Segundo a Procuradoria da República, e Engevix pagou R$ 52.977.089 em propina, para corromper o diretor Paulo Roberto Costa nos contratos que manteve na Diretoria de Abastecimento entre 2004 e 2012.

Ela ainda apontou que Waldomiro Oliveira, réu na Lava Jato e acusado de participar do esquema de lavagem de Youssef, cobrava paga emitir notas frias. “Waldomiro chegou a conversar comigo algumas vezes e dizer que só fazia emissão de notas, cobrava para fazer as emissões”, afirmou à Justiça Federal. Segundo Meire, Waldomiro cobrava 14% dos valores dos contratos para emitir as notas frias.

VEJA A ÍNTEGRA DO DEPOIMENTO DE MEIRE POZA

A reportagem ligou para o celular de Mário Negromonte mas ele não atendeu. Andre Vargas não foi localizado para comentar o depoimento.