1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Operação prende condenado do mensalão e doleiro do Banestado

Lilian Venturini

17 março 2014 | 16:50

(atualizado às 23h27) Uma operação que envolveu 400 policiais federais em seis Estados e no Distrito Federal – com ações em 17 cidades – desmontou ontem um esquema de desvios e lavagem de dinheiro estimada em R$ 10 bilhões e prendeu pelo menos 24 pessoas – entre elas Enivaldo Quadrado, ex-sócio da operadora Bônus-Banval que foi condenado a 3 anos e 6 meses de prisão no processo do mensalão, mas cumpria pena alternativa em Assis, no interior paulista.

Entre os presos da Operação Lava Jato, nome dado à ação por envolver lavanderias e postos de combustíveis, estão os doleiros Alberto Youssef, envolvido em irregularidades denunciadas na CPI do Banestado, e Carlos Habib Chater.

Veículos de luxo foram apreendidos, além de dinheiro em espécie, joias e obras de arte, num total estimado em R$ 5 milhões. Com a prisão, Youssef, que já havia sido detido na Operação Farol da Colina, pode perder os benefícios obtidos após uma delação premiada.

A investigação apontou que Youssef teria dado em março de 2013 um Land Rover ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto da Costa – ele disse desconhecer a operação da PF e negou qualquer relação entre o veículo e sua posição na estatal. “O carro foi ganho por serviços de consultoria quando eu não estava mais na Petrobrás”, afirmou. Costa disse ter deixado a estatal em abril de 2012.

Entre os pertences apreendidos pela PF estão relógios e joias de luxo

A operação cumpriu, até o início da noite de ontem, 24 mandados de prisão e 15 mandados de condução coercitiva. As buscas da PF resultaram na apreensão de farta documentação, 25 veículos, obras de arte e joias. Contas bancárias utilizadas pelo grupo também foram bloqueadas e imóveis sequestrados. Os presos foram todos conduzidos à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná.

“Um dos objetivos era cortar o fluxo financeiro feito pelos doleiros, que incluía, entre as atividades ilícitas o comércio ilegal de diamantes”, afirmou em Curitiba o delegado da PF Márcio Anselmo, que coordena a operação.

 

Carro esportivo foi apreendido pela operação da PF. Foto: Divulgação

Fachada. Para ter uma dimensão da movimentação financeira dos grupos, foi constatado que somente uma das organizações criminosas remeteu ao exterior cerca de US$ 250 milhões entre 2009 e 2013. Mais de uma centena de empresas de fachada vinculadas aos grupos foi identificada. Eles operavam ainda com importação da China e de Hong Kong e obras de arte. Hoje a PF inicia a oitiva dos presos e a análise da documentação reunida.

O acesso da PF aos registros foi possível graças ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão ligado ao Ministério da Fazenda.

O ex-sócio da Bônus-Banval Enivaldo Quadrado cumpria pena alternativa em uma entidade de Assis, no interior paulista, entre 7 e 14 horas – e ainda administrava uma concessionária de carros que ele comprou depois de ter sido condenado no processo do mensalão. / FAUSTO MACEDO, JÚLIO CÉSAR LIMA, MONICA CIARELLI E SANDRO VILLAR