Cerveró relata ‘orientação’ da cúpula da Petrobrás para contratar empresa ligada a filho de FHC em 2000

Cerveró relata ‘orientação’ da cúpula da Petrobrás para contratar empresa ligada a filho de FHC em 2000

Ex-diretor da Petrobrás afirma à Lava Jato que PRS Energia, de Paulo Henrique Cardoso, associou-se à estatal para gerir a Termorio, construída pela francesa Alstom ao custo de US$ 715 milhões quando tucano exercia segundo mandato presidencial

Mateus Coutinho, Gustavo Aguiar, Isadora Peron, Julia Affonso e Ricardo Brandt

02 Junho 2016 | 19h50

FHC. Foto: Fábio Motta/Estadão

FHC. Foto: Fábio Motta/Estadão

Em sua delação premiada, o ex-diretor Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró disse que, dentre as supostas irregularidades que presenciou na Petrobrás durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB/1995-2002) está a contratação de uma empresa ligada ao filho do ex-presidente, Paulo Henrique Cardoso,’por orientação do então presidente da Petrobrás Philipe Reichstul, por volta de 2000′.

A PRS Energia, que segundo o delator pertencia ao filho do tucano, acabou se associando à Petrobrás naquele período para gerir a Termorio, Trata-se da Termorio, maior termoelétrica a gás do Brasil, construída pela multinacional francesa Alstom e que custou US$ 715 milhões. A assessoria de Paulo Henrique Cardoso informou que ele não conhece e nunca teve relação com a empresa.

Segundo Cerveró, na época o operador de propinas na Petrobrás Fernando Baiano estava fazendo lobby para a estatal se associar à espanhola Union Fenosa para gerir o empreendimento. Baiano e os representantes da empresa, inclusive, vieram ao Brasil no período para tratar com Cerveró sobre o tema.


Na época, Cerveró era subordinado a Delcídio Amaral na Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás.

cerveroalstom5
“Que Fernando Antônio Falcão Soares (Fernando Baiano) e os dirigentes da Union Fenosa acreditavam que o negócio estava acertado, faltando apenas a assinatura para a finalização; Que no entando, o negócio já estava fechado com uma empresa vinculada ao filho do Presidente da República Fernando Henrique Cardoso, de nome Paulo Henrique Cardoso”, relatou Cerveró.

“Que o negócio havia sido fechado pelo próprio declarante, por orientação do então presidente da Petrobrás Philippe Reichstul”, segue o delator contando ainda que o fato deixou tanto Baiano quanto os representantes da empresa espanhola “contrariados”. Ainda de acordo com ele, até Delcídio Amaral também ficou contrariado pelo fato de o fechamento do negócio envolvendo sua diretoria ter sido determinado pela presidência da Petrobrás na época.

[veja_tambem]

Ainda de acordo com Cerveró, o então diretor chegou a “fazer ameaça de votar contra a aprovação do negócio na Diretoria Executiva da Petrobrás”, quando soube do fato, mas acabou recuando depois e votou pela aprovação do negócio na Diretoria Executiva da estatal.

Em 2003, pouco tempo depois da transação, a Petrobrás acabou adquirindo a participação da PRS na Termorio, de 7%, por US$ 19 milhões.

Paulo Henrique Cardoso informou por meio de sua assessoria de imprensa que ele não conhece nem nunca teve qualquer relação com a empresa.

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:

FHCNestor CerveróPetrobrásTermorio