1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Ideli Salvatti

Cerveró diz que Ideli e mensaleiro ajudaram transportadora a renegociar dívida de R$ 90 mi

Por Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

19/01/2016, 05h00

   

Ex-diretor da Petrobrás, um dos delatores da Lava Jato, relatou almoço em Brasília do qual ex-ministra de Relações Institucionais e ex-deputado João Paulo Cunha teriam participado para atender pedido da Transportes Dalçoquio, de Santa Catarina, devedora da BR Distribuidora

Ideli Salvatti. Foto: Ueslei Marcelino /Reuters

Ideli Salvatti. Foto: Ueslei Marcelino /Reuters

O ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró, um dos delatores da Operação Lava Jato, afirmou que a ex-senadora (PT/SC) e ex-ministra Ideli Salvatti (Direitos Humanos e Relações Institucionais/Governo Dilma) participou de um almoço em Brasília com o ex-deputado mensaleiro João Paulo Cunha (PT/SP) para tratar da renegociação de uma dívida de cerca de R$ 90 milhões da Transportes Dalçoquio com a BR Distribuidora, braço da estatal. Cerveró não apontou o ano do encontro, mas disse que ‘imagina que a ministra Ideli e outros políticos’ receberam propina pelo negócio.

ideli-cervero

Desde junho de 2015, a petista ocupa o cargo de assessora de Acesso a Direitos e Equidade da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington. Por meio de sua assessoria, Ideli informou que ‘não tem qualquer recordação de reunião com Nestor Cerveró para tratar de qualquer assunto’.

Segundo Cerveró, a Dalçoquio é a maior transportadora da BR Distribuidora, ‘muito antiga (já foi inclusive ajudado na época do Fernando Henrique Cardoso) e apoiava diversos políticos de vários partidos’.

As informações de Cerveró constam de um documento entregue por sua defesa à Procuradoria-Geral da República antes de o ex-diretor firmar acordo de delação premiada, o que ocorreu no dia 18 de novembro de 2015.

O documento é um esboço com dados preliminares daquilo que o delator se compromete a falar detalhadamente às autoridades.

A Dalçoquio foi criada em 1968, com apenas cinco caminhões, em Itajaí, Santa Catarina, Estado de Ideli. Desde seu início, a transportadora já mantinha vínculos estreitos com a Petrobrás. Apenas sete anos mais tarde, foi firmada parceria com a estatal e sua frota chegou a cinquenta caminhões.

No primeiro semestre de 2015, Laércio Tomé, acionista do Grupo Tomé Engenharia, de São Bernardo do Campo, adquiriu a transportadora.

A reunião a que Cerveró se refere teria ocorrido no período em que ele exercia a diretoria de Finanças da BR Distribuidora, função que assumiu e na qual permaneceu até 2014 depois que foi exonerado da Diretoria de Internacional da Petrobrás, em 2008.

“Foi realizada uma renegociação da dívida, com o aumento de prazo para pagamento. Nestor Cerveró não recebeu nada, mas imagina que a min. Ideli e outros políticos tenham recebido”, registra o documento intitulado ‘Anexo 15’ que a defesa do ex-diretor entregou à Procuradoria-Geral da República.

Ideli Salvatti foi senadora por Santa Catarina entre 2003 e 2011. A petista assumiu o extinto Ministério de Pesca e Aquicultura em janeiro de 2011 e ficou no cargo até junho daquele ano. Em seguida, Ideli se tornou ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais do governo Dilma. Ela ocupou a Secretaria entre 10 de junho de 2011 e 1 de abril de 2014. Quinze dias depois de deixar o cargo, Ideli se tornou ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos do Brasil, onde ficou entre 1.º de abril de 2014 e 16 de abril de 2015.

O anexo 15 do documento que Cerveró entregou ao Ministério Público Federal é intitulado ‘Assunto: almoço com ministra Ideli Salvatti (PT) para ajuda financeira à Dalçoquio’.

“A Dalçoquio, maior transportadora da BR, tinha uma dívida de aproximadamente R$ 90 milhões com a BR Distribuidora. Sobre esse assunto – ajuda à Dalçoquio – houve um almoço em Brasília com a Ministra Ideli Salvatti, foi realizado o pedido de renegociação da dívida”, afirmou Cerveró.

Segundo o delator, na mesma época, também teria sido feita uma reunião com o ex-deputado federal João Paulo Cunha (PT/SP), condenado a 6 anos e 4 meses de prisão no processo do Mensalão por corrupção passiva e peculato.

Na ocasião, afirmou o delator, ‘foi feito o mesmo pedido’ (renegociação da dívida).

O ex-deputado João Paulo Cunha não retornou contatos da reportagem.

A assessoria do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não retornou contato da reportagem.

COM A PALAVRA, IDELI SALVATTI

A ex-ministra Ideli Salvatti, por meio de sua assessoria, afirmou que está a disposição das autoridades para colaborar nas investigações e que não tem qualquer recordação de reunião com Nestor Cerveró para tratar de qualquer assunto.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO SIDNEI GARCIA DIAZ , DO GRUPO TOMÉ ENGENHARIA

A empresa Tomé Engenharia não possui qualquer participação acionária na empresa Dalçoquio não podendo, portanto, responder por ela. Na realidade, as empresas tem apenas uma acionista em comum, o sr. Laércio Tomé.

A aquisição da Dalçoquio pelo sr. Laércio Tomé se deu no primeiro semestre de 2015, posteriormente, portanto, aos fatos narrados pelo sr. Nestor Cerveró em sua delação premiada conforme apontado pelo sr. Sendo assim, o novo acionista não pode responder por fatos que não possui conhecimento uma vez que anteriores à sua aquisição.”

COM A PALAVRA, A BR DISTRIBUIDORA

“Sobre as denúncias veiculadas pela mídia, envolvendo desdobramentos da Operação Lava-Jato, a Petrobras Distribuidora informa que:

Desde o início das investigações da Operação Lava-Jato, a empresa vem colaborando com o Ministério Público, a Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República, priorizando o atendimento de todas as demandas e fornecendo todos os documentos solicitados.

A companhia é a principal lesada pelos desvios praticados e não deve se pronunciar sobre investigações em andamento, fora e dentro da empresa, para não prejudicar as apurações.

A empresa vem instaurando Comissões Internas de Apuração a partir de denúncias ou evidências que chegam ao seu conhecimento e encaminhando seus resultados às autoridades competentes e aos escritórios de investigação forense contratados pela Petrobras para aprofundamento das investigações e adoção das medidas cabíveis. Todas as denúncias estão sendo apuradas.
Sanções disciplinares por desvios de conduta serão aplicadas a todos que forem identificados como responsáveis.

Além disso, a empresa vem adotando outras medidas de integridade, dentre as quais destaca a criação da gerência executiva de Governança, Risco e Conformidade, encarregada da implantação do Programa de Prevenção da Corrupção da Petrobras Distribuidora (PPC-BR), do gerenciamento de riscos empresariais e da promoção de uma cultura de compliance. A empresa também vem aprimorando seus controles internos e, desde 1º/1/2016, está integrada ao Canal de Denúncia Petrobras, passando a contar com uma empresa externa especializada no serviço de recebimento de denúncias.

Por fim, a Diretoria Executiva reafirma o compromisso da Petrobras Distribuidora com as melhores práticas comerciais, concorrenciais e de respeito às leis. E confia que os fatos em torno da Operação Lava-Jato serão devidamente esclarecidos, ao fim de todos os processos legais.”

COM A PALAVRA, A TRANSPORTES DALÇOQUIO

dalçoquio

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.