Cármen Lúcia alerta para ‘enorme intolerância com a falta de eficiência do Poder Público’

Cármen Lúcia alerta para ‘enorme intolerância com a falta de eficiência do Poder Público’

Na abertura do 10.º Encontro Nacional do Judiciário, em Brasília, ministra presidente do Supremo Tribunal Federal é necessário pensar em como o Judiciário deve agir 'para que a sociedade não desacredite no Estado': "“Ou é a democracia ou a guerra"

Mateus Coutinho, Julia Affonso e Fausto Macedo

05 Dezembro 2016 | 16h20

CARMENDIV

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, pediu a união de juízes e desembargadores para enfrentar ‘os desafios e os deveres comuns a todo o Judiciário’. O apelo foi feito nesta segunda-feira, 5, na abertura do 10.º Encontro Nacional do Poder Judiciário, para debater e aprovar as metas de cada tribunal para 2017, que ocorre até amanhã na sede do Tribunal Superior Eleitoral.

As informações foram divulgadas no site do Supremo.

A ministra destacou que o momento político nacional é ‘de grande dificuldade para toda a sociedade brasileira’.

Cármen assinalou que ‘há uma enorme intolerância com a falta de eficiência do Poder Público’.

Para a ministra, é necessário pensar em como o Judiciário deve agir ‘para que a sociedade não desacredite no Estado, uma vez que o Estado Democrático, previsto constitucionalmente, tem sido ou parece ser até aqui a nossa única opção’.

“Ou é a democracia ou a guerra. E o papel da Justiça é pacificar”, afirmou.

Em sua avaliação, a importância do encontro dos magistrados ‘está em se pensar como o Judiciário deve agir para que a sociedade não desacredite no Estado, uma vez que o Estado Democrático, previsto constitucionalmente, tem sido ou parece ser até aqui a nossa única opção’.

A ministra lembrou o papel da Justiça de pacificação em momentos difíceis.

Durante esses dois dias de encontro em Brasília, os presidentes, corregedores e gestores dos tribunais e conselhos da Justiça vão apresentar o desempenho das Cortes em relação às metas estabelecidas para o ano de 2016, e traçar os objetivos para 2017.

 

Notícias relacionadas

Mais conteúdo sobre:

STFCármen Lúcia