Cármen autoriza reforços para gabinete de Fachin, relator da Lava Jato

Cármen autoriza reforços para gabinete de Fachin, relator da Lava Jato

Presidente do Supremo Tribunal Federal permite remanejamento de cinco servidores da Corte com objetivo de dinamizar a condução dos inquéritos e ações relacionadas à maior investigação contra a corrupção no País

Breno Pires e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

06 Novembro 2017 | 20h59

Edson Fachin. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

A presidente do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia autorizou o remanejamento de cinco servidores do tribunal para o gabinete do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, com o propósito de reforçar os trabalhos na condução dos inquéritos e demais ações relacionados à operação.

O pedido de reforço partiu do próprio ministro Edson Fachin, que já havia feito solicitação parecida no mês de abril. Na época, Cármen e Fachin chegaram a acertar a criação um grupo de assessoria especializada para conferir celeridade aos processos da Operação Lava Jato — que não saiu do papel.

Com cerca de 80 inquéritos relacionados à Lava Jato, Fachin quer dar mais celeridade aos processos.

A autorização da chegada de reforços veio após conversa entre os ministros na semana passada.

O Supremo não confirmou quais serão os cargos específicos desses servidores no gabinete de Edson Fachin. Também não foi informado quando eles começarão a trabalhar com o relator da Lava Jato.