Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Calicute não acha contrato de escritório da sra. Cabral com Banco Schahin

Política

Calicute não acha contrato de escritório da sra. Cabral com Banco Schahin

Calicute não acha contrato de escritório da sra. Cabral com Banco Schahin

Força-tarefa afirma que há fortes indícios que banca de Adriana Ancelmo lavava dinheiro do milionário esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral

0

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

09 Dezembro 2016 | 05h15

Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão - 2007

Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão – 2007

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal afirmam que não encontraram, durante busca e apreensão no escritório da advogada Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), contrato entre o Banco Schahin e o Hotel Portobello e a banca. O Ancelmo Advogados é alvo de investigação pelo ‘crescimento vertiginoso’ durante os dois mandatos de Cabral (2007 a 2014).

A Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato que prendeu o casal, afirma que a investigação reforçou os indícios de que o Ancelmo Advogados ‘é de fato utilizado para a lavagem de recursos espúrios obtido pela organização criminosa liderada pelo seu marido’.

“Corroborando a inexistência de prestação de serviços que justificasse a origem dos recursos, em diligência de busca e apreensão no escritório Ancelmo Advogados não foram encontrados documentos físicos ou digitais acerca da empresa Banco Schahin, conforme informação oficial da equipe da Polícia Federal e do Ministério Público Federal que lá esteve. Na mesma ocasião, segundo os informes, os sócios Thiago de Aragão Gonçalves Pereira e Silva e Paula Menna Barreto Marques afirmaram desconhecer a existência de prestação de serviços ou contrato celebrado entre o escritório e as empresas Banco Schahin e Hotel Portobello”, afirma a Procuradoria.

A banca Ancelmo Advogados recebeu R$ 35,83 milhões de dez empresas, segundo a força-tarefa formada pelos procuradores Lauro Coelho Junior, José Augusto Simões Vagos, Eduardo Ribeiro Gomes El Hage, Leonardo Cardoso de Freitas, Renato Silva de Oliveira e Rodrigo Timóteo da Costa e Silva. Na lista de empresas que supostamente tiveram contrato com o escritório de Adriana está o Banco Schahin – a instituição financeira pagou a Ancelmo Advogados R$ 726.565,64.

“É de se notar que as circunstâncias de alguns pagamentos causam espécie, como os feitos pelo Banco Schahin”, afirma a Procuradoria.

A força-tarefa destaca que a gerente financeira do escritório, Michelle Tomaz Pinto, ‘afirmou desconhecer a existência de contratos ou faturamentos relativos às empresas Banco Schahin, EBX Holding, Braskem, Hotel e Resort Portobello ou Reginaves – Frango Rica’.

“Indagada sobre a existência de contratos e faturamentos para o Banco Schahin, EBX Holding, Braskem a declarante esclarece que não passaram documentos e dados de controle sobre serviços prestados por sua mão; que, indagada se sabe se os mesmos eram clientes do escritório, a declarante informa que não sabe se os mesmos eram clientes pois nunca viu faturamento ou processos relativos aos mesmos”, diz o depoimento da gerente financeira do escritório de advocacia.

“Indagada se sobre essas últimas empresas a declarante viu pastas, menções a ações, relatórios, pareceres ou outros que possam configurar que tais pessoas jurídicas eram clientes do escritório, a declarante informa que no período em que estava no escritório não viu nenhum documento mencionado relativos a essas pessoas jurídicas.”

Uma dos negócios do Banco Schahin foi alvo de investigação da Operação Lava Jato. O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, protagonizou um emblemático empréstimo de R$ 12 milhões junto ao banco, em outubro de 2004. O dinheiro, segundo o próprio pecuarista, foi destinado ao PT, na ocasião em dificuldades de caixa.

Em troca do empréstimo, o Grupo Schahin foi favorecido por um contrato de US$ 1,6 bilhão sem licitação com a Petrobrás, em 2009, para operar o navio sonda Vitória 10.000. Lula, que não é acusado nesta ação, teria dado a ‘bênção’ ao negócio – o que é negado pela defesa do petista. Bumlai foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 9 anos e 10 meses de prisão por gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção na Operação Lava Jato.

COM A PALAVRA, A SCHAHIN

O Banco Schahin foi vendido ao BMG há mais de 5 anos, e nos registros remanescentes não foram encontrados pagamentos para esse escritório.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios