Cabral vai ficar na PF de Curitiba, berço da Lava Jato, próximo de Palocci, Odebrecht, Cunha…

Cabral vai ficar na PF de Curitiba, berço da Lava Jato, próximo de Palocci, Odebrecht, Cunha…

Ex-governador do Rio, preso sob suspeita de mesadas de propinas de empreiteiras, deve chegar em avião da Federal às 15h30 no Aeroporto Afonso Pena, na capital paranaense; entre os vizinhos de cela estão o ex-ministro dos governos Lula e Dilma, o empreiteiro delator e o ex-presidente da Câmara

Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

10 Dezembro 2016 | 12h19

 

Sérgio Cabral chega ao IML em Curitiba, em 10 de dezembro. Foto: Rodrigo Felix/Gazeta do Povo

Sérgio Cabral chega ao IML em Curitiba, em 10 de dezembro. Foto: Rodrigo Felix/Gazeta do Povo

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) vai ficar preso em uma cela da Polícia Federal em Curitiba, berço da Operação Lava Jato. Preso na Operação Calicute – desdobramento da Lava Jato -, sob suspeita de recebimento de mesadas milionárias de empreiteiras, Cabral deve chegar em avião da PF às 15h30 no aeroporto Afonso Pena, na capital paranaense. Ele já deixou o Complexo Penitenciário de Bangu 8, na zona Oeste do Rio.

Entre os vizinhos de cela de Cabral na Custódia federal em Curitiba estão o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil/Governos Lula e Dilma), o empreiteiro Marcelo Odebrecht e o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB).

A transferência de Cabral foi requisitada pelo promotor do Ministério Público fluminense André Guilherme Freitas, que atua na Promotoria de Execuções Penais. Freitas informou o juiz federal Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Criminal do Rio – que mandou prender Sérgio Cabral – que o ex-governador estaria recebendo visitas ‘irregulares’ – inclusive políticos próximos e autoridades.

A Secretaria de Administração Penitenciária nega procedimentos irregulares.

No Rio, o peemedebista já é réu em ação penal por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa – delatores informaram a Procuradoria da República e a PF que Cabral recebia mesadas de até R$ 500 mil da Carioca Engenharia e de R$ 350 mil da Andrade Gutierrez.

Em Curitiba, ele é alvo de inquérito por suspeita de recebimento de propinas nas obras do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), atrelado à Petrobrás. A base da Lava Jato é o esquema de propinas e cartelização na estatal petrolífera.

O ex-governador foi alvo de dois mandados de prisão, um expedido pelo juiz Bretas, o outro pelo juiz Sérgio Moro, símbolo da Lava Jato.

Notícias relacionadas