Brasília vai sediar aceleradora de startups voltada ao setor jurídico

Brasília vai sediar aceleradora de startups voltada ao setor jurídico

Unicorn Accelerator pretende unir a academia e o setor privado em prol de investimentos em inovação.

Redação

05 Dezembro 2016 | 09h47

Com o objetivo de estabelecer uma ponte entre os estudantes de Direito da região centro-oeste e a iniciativa privada, de modo a possibilitar que ideias inovadoras surgidas na academia possam receber investimentos para sair do papel, será lançada na terça-feira, 6, a Unicorn Accelerator. A aceleradora terá o papel de unir a academia e o setor privado em prol de investimentos em inovação. Em torno do projeto, a Unicorn, que foi idealizada no seio da Faculdade de Direito da UnB, reuniu as principais universidades do Distrito Federal. Do ambiente acadêmico, virão 120 mil alunos com ideias e propostas que serão aceleradas e contribuirão para a melhoria do ambiente jurídico do país.

Para alcançar o objetivo de transformar ideias em negócios de sucesso que possam resolver problemas do dia a dia no sistema judicial brasileiro, a Unicorn, por meio de sua proprietária, a Oxigênio Inc, investirá R$ 10 milhões em recursos em startups do centro-oeste brasileiro nos próximos dois anos. Nesse primeiro momento, o foco são a aceleração e o corporate ventura.

A Universidade de Brasília (UnB), o Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), o Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB), o Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), a Universidade Católica de Brasília (UCB) e a União Pioneira de Integração Social (UPIS) são as primeiras seis instituições ligadas formalmente ao projeto como Universidades Associadas.

Para se transformar uma realidade na vida dos estudantes interessantes em seguir os caminhos da inovação, a Unicorn realizará já em 2017 sua primeira seleção de ideias. A escolha se dará por meio da publicação de um edital que irá as ruas ainda em fevereiro. Após a seleção, na primeira etapa do processo, o processo utilizado pela Unicorn seguirá o protocolo Lemonade (modelo proveniente do ecossistema de Minas Gerais) e apontado como o melhor programa de pré-aceleração do Brasil.

Nesse período inicial, ao longo de oito semanas, as equipes passam por etapas de trabalhos definidas semanalmente que possibilitam validação do mercado, teste de MVP, projeção financeira, prototipagem, construção de modelo de negócios até chegar à fase de primeira venda.

No dia 6 de dezembro de 2016, a Unicorn Accelerator será lançada com a presença de dezenas de investidores, autoridades, empreendedores, banqueiros e executivos do setor financeiro, fundos de investimento, representantes da sociedade civil e membros da academia. O evento será aberto pelo professor doutor Ricardo Fernandes, sócio-fundador da Unicorn, e por Ramon Azevedo, CEO da Fundepar/UFMG

Veja como funcionará a Unicorn Accelerator:

1)    A Unicorn Accelerator publica o edital de pré-aceleração;

2)    Estudantes e empreendedores do Centro-Oeste inscrevem suas ideias;

3)    Uma comissão da Unicorn-Lemonade seleciona as ideias mais promissoras;

4)    Durante oito semanas, os empreendedores das ideias selecionadas passarão por um treinamento intensivo em empreendedorismo, fazendo com que estas ideias sejam maturadas e se transformem numa startup. Esta fase é o que o mercado chama de pré-aceleração (que aqui segue o protocolo Lemonade);

5)    As startups que se mostrarem mais maduras e com equipes mais capazes prosseguirão para a segunda fase do projeto da Unicorn: a etapa de aceleração propriamente dita, nomeada Accelerator. Nessa fase os empreendedores, já com modelos de negócio bem definidos, passarão por uma série de mentorias intensivas, empreendedores experientes, gestores públicos e profissionais do setor da futura empresa, de maneira a otimizar tanto aspectos financeiros quanto operacionais e deixar suas empresas prontas para receber investimentos.