1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

FAUSTO MACEDO é repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (fausto.macedo@estadao.com) Colaboração: Mateus Coutinho, repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (mateus.coutinho@estadao.com), e Julia Affonso, repórter do jornal “O Estado de S.Paulo” (julia.affonso@estadao.com)
quinta-feira 23/10/14 05:00

Empresário diz que doleiro da Lava Jato ‘abria as portas’

Por Fausto Macedo, Mateus Coutinho e Ricardo Brandt O empresário Márcio Bonilho, sócio do Grupo Sanko, declarou à Justiça Federal que fazia pagamento de comissões para Alberto Youssef e que o doleiro repassava parte do dinheiro para dois executivos da empreiteira Camargo Corrêa; Eduardo Leite e Paulo Augusto. Bonilho também é réu da Lava Jato, na ação penal sobre superfaturamento e desvio de dinheiro nas obras da Refinaria Abreu e Lima. Ele detém 33% das cotas da Sanko Sider, dona da Sanko Serviços. A ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 05:00

É tempo de questionar candidatos

Por Thaís Guerra Leandro* Eleição é tempo de questionar candidatos e ouvir propostas de mudança e melhoria. Eleição também é tempo de populismo penal, de afirmar que com penas mais altas e mais encarceramento os problemas de segurança pública serão resolvidos. Na contramão dessas afirmações o mundo tem reconhecido que medidas de endurecimento do direito penal, como a criminalização do uso de drogas, não produzem uma sociedade menos violenta. Eventos recentes, como a manifestação do Escritório das Nações Unidas contra ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 05:00

Em pedido feito a Costa, parlamentar cita líder do PP

PAULO ROBERTO COSTA/CPMI

Por Ricardo Brandt e Fausto Macedo

PAULO ROBERTO COSTA/CPMI

O líder do PP na Câmara dos Deputados, Eduardo da Fonte (PP-PE), e o presidente do nacional do partido, senador Ciro Nogueira (PP-PI), participaram de uma reunião com Paulo Roberto Costa, em 2013, em que o deputado federal Simão Sessim (PP-RJ) pediu a “valiosa ajuda” do ex-diretor da Petrobrás para indicar uma locadora de veículos de um amigo para “grandes empresas”. Ler post
quinta-feira 23/10/14 05:00

Dinheiro da Abreu e Lima chegava para doleiro em um dia, aponta laudo

fluxogramampf

Por Fausto Macedo, Mateus Coutinho e Ricardo Brandt

Laudo pericial do Ministério Público Federal revela que, por mais de uma vez, valores repassados pela Petrobrás para o Consórcio CNCC – controlado pela construtora Camargo Corrêa – nas obras da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, em apenas 24 horas iam parar nas contas das empresas do doleiro Alberto Youssef.

Preso na Operação Lava Jato, Youssef é acusado de pagar propinas a políticos e a partidos. Ele está fazendo delação premiada. Já apontou pelo menos 28 parlamentares como supostos beneficiários de propinas.

O laudo não imputa ilícitos às partes envolvidas na transação. Para a Justiça, a Petrobrás é vítima da organização criminosa da Lava Jato.

Veja também:

Empresário diz que doleiro ‘abria as portas’

Em pedido a Costa, parlamentar cita líder do PP

O documento indica o trajeto das transferências bancárias que iam aportar nas empresas de fachada do doleiro. A perícia foi anexada aos autos do processo federal sobre desvios e superfaturamento na refinaria.

Em um dos repasses analisados, a Petrobrás adiantou R$ 6,62 milhões para o Consórcio CNCC em 17 de janeiro de 2011. No mesmo dia, o Consórcio transferiu por meio de TED (Transferência Eletrônica Disponível) para a Sanko Sider, fornecedora de tubos para a obra, R$ 5,91 milhões. No dia seguinte, a Sanko repassou para a MO Consultoria, empresa de fachada de Youssef, R$ 1,7 milhão.

Ainda no dia 18, a MO Consultoria repassou R$ 238,5 mil para a conta da Labogen Química Fina, por meio duas TEDs. A indústria também era controlada, segundo a PF, pelo doleiro. No mesmo dia, a Labogen envia também por meio de TED R$ 238,5 mil para a Pionner Corretora de Câmbio. O laudo aponta ainda que operações semelhantes ocorreram diversas vezes, várias delas no prazo de um dia.

Os peritos identificaram 17 conjuntos de operações que “evidenciam que as empresas Sanko recebem recursos do Consórcio CNCC e da Construtora e Comércio Camargo Corrêa nas obras da Abreu e Lima e realizaram transferências para as investigadas (empresas de fachada de Youssef) em datas idênticas, ou próximas”.

CONFIRA A PLANILHA ABAIXO QUE RELACIONA OS PAGAMENTOS DA PETROBRÁS COM OS REPASSES PARA AS EMPRESAS DE YOUSSEF

planilharepasseslaudo

A análise dos peritos do MPF foi realizada com base em duas planilhas da Petrobrás que indicam 13 mil pagamentos da estatal petrolífera para o Consórcio CNCC, a partir de abril de 2010 – quando teve início a implantação da Unidade de Coqueamento Retardado da Abreu e Lima – , e outros 32 pagamentos diretamente à Construtora Camargo Corrêa, desde 2009.

Esses pagamentos da Petrobrás para a CNCC são exclusivamente relacionados à Abreu e Lima e totalizam R$ 3,11 bilhões e R$ 54,2 milhões para a Construtora Camargo Corrêa, no período de 2009 a 2013.

O laudo é subscrito pelos analistas Jonatas Sallaberry e e Júlio Austríaco, peritos em contabilidade, e informa ainda que as empresas Sanko receberam R$ 195,5 milhões do Consórcio CNCC, entre 26 de outubro de 2010 e 26 de dezembro de 2013, além de outros R$ 3,6 milhões da Construtora Camargo Correa – integrante do Consórcio –, a partir de 26 de junho de 2009.

CONFIRA O PERCURSO DOS RECURSOS QUE SAIAM DA PETROBRÁS

fluxogramampf

Beneficiário. O documento mostra os caminhos de parte do dinheiro que a Petrobrás repassou para o Consórcio CNCC e indica sequencialmente a quantia que o Grupo Sanko distribuiu para o caixa das empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef: M.O. Consultoria, GFD Investimentos, Empreiteira Rigidez e Muranno Brasil. De 2009 a 2013, essas empresas de Youssef receberam do Grupo Sanko aportes que somaram R$ 38,5 milhões – valores líquidos, descontados cheques devolvidos e operações de natureza inversa.

Entre os maiores beneficiários dos recursos que saíram do caixa da Petrobrás está o laboratório Labogen, que Youssef usou para se infiltrar no Ministério da Saúde, durante a gestão do ministro Alexandre Padilha, em 2013, em busca de contrato milionário supostamente viabilizado pelo deputado André Vargas, então no PT.

Também aparece como captador desses valores outra empresa controlada pelo doleiro, a Piroquímica. Juntas, essas empresas de papel receberam R$ 37,6 milhões. O rastreamento do dinheiro mostra que os valores que passaram pelas contas da Labogen e da Piroquímica foram destinados, em sua maior parte, para casas de câmbio ou de empresas de exportação e importação e “outras remessas com destino não identificado pelas instituições financeiras”.

Anteriormente, quando questionado sobre os repasses às empresas de Youssef, o Grupo Sanko-Sider enfatizou, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que “busca demonstrar de forma transparente sua idoneidade construída com trabalho e dedicação ao longo de 18 anos, reconhecidos pelo mercado”.

O Grupo Sanko observou, ainda, que as investigações “vêm confirmando as informações prestadas pelo Grupo Sanko são absolutamente corretas e as operações seguem as normas legais vigentes.”

O Grupo Sanko anotou que as empresas foram indicadas por Youssef. “A MO foi contratada para a execução de trabalhos técnicos e a GFD, para representação comercial. Repetimos: a Sanko-Sider não tem equipe própria de vendas, e todo o trabalho do setor é terceirizado.”

LEIA A ÍNTEGRA DO LAUDO PERICIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Ler post
quinta-feira 23/10/14 05:00

STJ impõe multa diária de R$ 500 mil para inibir greve de policiais federais

Por Fausto Macedo e Mateus Coutinho A ministra Assusete Magalhães, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), estabeleceu multa de R$ 500 mil por dia a ser paga por entidades de policiais federais caso descumpram liminar que impede a greve da categoria. Segundo informação publicada no site do STJ, a decisão tem o objetivo de inibir o movimento grevista dos policiais durante o período eleitoral. A greve está suspensa, informou a Federação Nacional dos Policiais Federais, em seu site. Ao conceder liminar, na ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 04:00

PF encontra cocaína em sutiã no aeroporto de Guarulhos

Por Fausto Macedo A Polícia Federal prendeu na noite desta quarta feira, 22, no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos, uma alagoana de Maceió tentando embarcar para a Tailândia com 4 quilos de cocaína em sua bagagem. A mulher iria tomar o voo cujo destino final era a cidade de Bangkok, capital da Tailândia. Ela foi abordada pelos policiais federais na fila do check-in onde foi entrevistada e teve sua documentação analisada. Os policiais suspeitaram da passageira e a conduziram, juntamente com uma ...

Ler post
quarta-feira 22/10/14 18:45

Sobrinho do governador do Acre é acusado por fraude em licitação da Saúde

Por Ricardo Brandt O Ministério Público Federal denunciou por fraude em licitação na área da saúde dois servidores públicos da Secretaria Estadual de Saúde do Acre, um deles sobrinho do governador Tião Viana (PT) - Tiago Viana Neves Paiva -, e sócios da empresa CENTTRO Medicina Diagnóstica Ltda, alvo da Operação G7, deflagrada pela Polícia Federal em 2013. Segundo a denúncia, os acusados fraudaram licitação em 2012 para contratação de empresa de radiologia médica para atuar nas unidades de saúde do Estado, ...

Ler post
quarta-feira 22/10/14 16:15

Doleira da Lava Jato é condenada a 18 anos de prisão

nelmakodamarep

Por Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Ricardo Brandt nelmakodamarep A doleira Nelma Kodama, também conhecida como "Dama do Mercado", foi condenada a 18 anos de prisão e multa por liderar um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado de forma fraudulenta R$ 221 milhões em dois anos e enviado para o exterior outros de U$S 5,2 milhões por meio de 91 operações de câmbio irregulares. Nelma foi ...

Ler post
quarta-feira 22/10/14 15:30

Procuradoria revela 31 candidaturas fictícias de mulheres em Minas

Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Por Julia Affonso A Procuradoria Regional Eleitoral em Minas Gerais (PRE-MG) identificou pelo menos 31 registros fraudulentos de candidaturas femininas nas eleições de 2014. Para a Procuradoria, há indícios de falsidade ideológica praticada por dirigentes ou representantes de partidos políticos que apresentaram os pedidos de registro fraudulentos. "A fraude ficou evidenciada, algumas sequer sabiam da candidatura", afirma o procurador regional eleitoral Patrick Salgado. "Vimos casos absurdos de registros de mulheres com fotos extraídas do Facebook. No desespero, como não existiam candidatas ...

Ler post