1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

FAUSTO MACEDO é repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (fausto.macedo@estadao.com) Colaboração: Mateus Coutinho, repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (mateus.coutinho@estadao.com), e Julia Affonso, repórter do jornal “O Estado de S.Paulo” (julia.affonso@estadao.com)
sábado 01/08/15 09:30

‘Estamos atentos’, diz presidente da OAB sobre convocação de Catta Preta

[caption id="attachment_17060" align="aligncenter" width="500"]Marcus Vinicius Coêlho. Foto: Divulgação Marcus Vinicius Coêlho. Foto: Divulgação[/caption] Por Julia Affonso e Fausto Macedo O presidente da OAB Marcus Vinícius Furtado Coêlho declarou que os advogados 'estão atentos' ao episódio das ameaças à criminalista Beatriz Catta Preta. Nesta quinta-feira, 30, a advogada declarou à reportagem de O Estado que decidiu abandonar a carreira, alegando intimidações que vem sofrendo da CPI da Petrobrás. "É lamentável que uma colega de profissão deixe ...

Ler post
sábado 01/08/15 06:30

Zelada se cala na PF

[caption id="attachment_20915" align="aligncenter" width="491"]Jorge Zelada após ser preso no início de julho. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press Jorge Zelada após ser preso no início de julho. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press[/caption] Por Julia Affonso e Fausto Macedo O ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Jorge Luiz Zelada, preso na Operação Mônaco - desdobramento da Lava Jato - calou-se durante audiência na Polícia Federal nesta sexta-feira, 31. Ele está preso desde 2 de ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 19:44

Juiz prorroga por mais cinco dias prisão de almirante da Eletronuclear

Por Mateus Coutinho, Valmar Hupsel Filho e Fausto Macedo [caption id="attachment_21891" align="aligncenter" width="541"]Othon Luiz Pinheiro da Silva. Foto: Beto Barata/AE Othon Luiz Pinheiro da Silva. Foto: Beto Barata/AE[/caption] O juiz federal Sérgio Moro prorrogou nesta sexta-feira, 31, a prisão temporária do presidente licenciado da Eletronuclear, almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, sob suspeita da Operação Lava Jato por envolvimento em esquema de propinas nas obras da Usina Angra3 - os ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 19:06

Moro usa mensalão para negar sigilo em processo da Odebrecht

Por Mateus Coutinho e Fausto Macedo

Sérgio Moro, juiz federal da Lava Jato. Foto: Gil Ferreira/Agência Brasil

Sérgio Moro, juiz federal da Lava Jato. Foto: Gil Ferreira/Agência Brasil

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, negou o pedido da defesa do empresário Marcelo Odebrecht de colocar sob sigilo os processos envolvendo a empreiteira e lembrou do julgamento do mensalão, transmitido com começo ao fim ao vivo pela TV Justiça, para reiterar a importância da publicidade do caso. “A publicidade propicia não só o exercício da ampla defesa pelos acusados, mas também o saudável escrutínio público sobre a atuação da administração pública e da própria justiça criminal”, pontua o juiz na decisão.

VEJA A ÍNTEGRA DO DESPACHO DE MORO

VEJA A PETIÇÃO DA DEFESA DA ODEBRECHT

Moro ressalta que o próprio Supremo Tribunal Federal já adotou igual entendimento no âmbito do Mensalão.

“Apesar da reclamação quanto à publicidade do processo, segue-se mandamento constitucional a respeito e o próprio exemplo do Supremo Tribunal Federal quando do julgamento público da Ação Penal 470 (mensalão)”.

Na decisão, o magistrado ainda faz a ressalva de que pode decretar sigilo sobre eventuais documentos e anotações de cunho pessoal apreendidos pela Polícia Federal que não tenham relação com a investigação, caso sejam apontados pela defesa. “Aquelas anotações que apontei, incluindo aparentes orientações para destruição de provas (“higienização de apetrechos MF e RA”, v.g.) e sobre as quais não foram dadas explicações pela defesa, não se enquadram a toda evidência nessa categoria”, observa o juiz.

Marcelo Odebrecht e outros executivos foram transferidos para o Complexo Médico-Penal. Foto: Félix R/Futura Press

Marcelo Odebrecht ao ser preso na Lava Jato. Foto: Félix R/Futura Press

‘Urbanidade’. A decisão desta sexta-feira, 31, é uma resposta ao pedido da defesa de Marcelo Odebrecht que, solicitada a dar explicações sobre as anotações do celular do executivo com expressões como “dissidentes PF” e “trabalhar para parar/anular”, afirmou “não ter motivos” para explicar o conteúdo e fez várias críticas ao andamento da operação e à Polícia Federal. Na ocasião, os advogados também pediram que fosse separado dos autos do processo os dados de cunho pessoal do investigado.

+ Lava Jato fecha leniência com a Camargo Corrêa

+ Especial: entenda a operação

Moro criticou o tom adotado pela defesa na petição e o que considerou “exageros retóricos ofensivos”. “Não foram apresentadas explicações em princípio sobre o que solicitado, mas apenas reclamações veiculadas em linguagem pouco apropriada para o debate jurídico”, assinala o magistrado. “Não cabe, evidentemente, a este juízo responder aos exageros retóricos ofensivos da defesa contidos na referida peça, devendo ser resguardada a urbanidade na condução do feito”, segue o juiz.

Ao final do despacho, Sérgio Moro pondera ainda que as anotações que levantaram suspeitas da Polícia Federal podem, eventualmente, se tornar alvo de um inquérito específico. “Quanto à possível instauração de inquérito para apurar crimes de obstrução à Justiça, deixarei eventual iniciativa ao Ministério Público Federal”, conclui Moro.

Ler post
sexta-feira 31/07/15 18:30

Vídeo mostra o ataque ao Instituto Lula

Imagens da câmera de segurança do Instituto Lula revelam como foi o ataque à sede da instituição ocorrido na noite desta quinta-feira, 30.  Em nota divulgada nesta manhã, a assessoria de imprensa do Instituto destacou que um "artefato explosivo" foi arremessado contra o seu prédio-sede. O objeto foi atirado de um carro. O ataque, segundo o Instituto, ocorreu por volta de 22 horas desta quinta. Ninguém ficou ferido. A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo confirmou ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 17:27

Lava Jato fecha leniência com Camargo Corrêa em Angra 3

[caption id="attachment_14406" align="aligncenter" width="600"]Dalton Avancini. Foto: Reprodução/Camargo Corrêa/Edson Jr./Governo de SP O ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton Avancini é um dos delatores da Lava Jato. Foto: Reprodução/Camargo Corrêa/Edson Jr./Governo de SP[/caption] Por Fausto Macedo e Julia Affonso O Ministério Público Federal (MPF), pela força-tarefa da Operação Lava Jato, e a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) assinaram, nesta sexta-feira, 31, acordo de leniência com a empresa Construções e Comércio Camargo Corrêa ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 16:44

PF não pede prorrogação de prisão de almirante e executivo

[caption id="attachment_21872" align="aligncenter" width="553"]Othon Luiz Pereira da Silva. Foto: André Dusek/Estadão Othon Luiz Pereira da Silva. Foto: André Dusek/Estadão[/caption] Por Julia Affonso, Mateus Coutinho e Valmar Hupsel Filho A Polícia Federal decidiu não representar pela prorrogação da prisão temporária do almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear, e do executivo Flávio David Barra, presidente da Andrade Gutierrez Energia. Os dois foram presos na terça-feira, 28. A delegada Erika ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 13:00

Justiça afasta Marcus Elias do mercado

Atualizada às 15h43 Por Fausto Macedo e Julia Affonso A Justiça Federal em São Paulo afastou o investidor Marcus Alberto Elias do mercado financeiro. A decisão judicial acolhe representação da Procuradoria da República em ação contra Elias por supostos crimes que teriam causado lesão ao mercado financeiro, ao mercado de capitais e aos investidores a partir de operações supostamente faudulentas com títulos emitidos pela offshore LAEP Investments Lgtd. Os prejuízos são estimados em R$ 2,5 bilhões e podem chegar a ...

Ler post
sexta-feira 31/07/15 05:10

Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

imagemdestinatáriotreviso

Por Mateus Coutinho, Julia Affonso e Valmar Hupsel Filho [caption id="attachment_17401" align="aligncenter" width="530"]Julio Camargo. Foto: Reprodução Julio Camargo. Foto: Reprodução[/caption] O lobista e delator da Lava Jato Júlio Camargo repassou R$ 125 mil para a igreja evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira, em Campinas (SP). A informação consta da quebra de sigilo bancário da empresa Treviso, utilizada por Camargo para repassar propinas no esquema de corrupção na Petrobrás revelado pela Lava Jato. ...

Ler post