1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

FAUSTO MACEDO é repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (fausto.macedo@estadao.com) Colaboração: Mateus Coutinho, repórter de Política do jornal "O Estado de S.Paulo" (mateus.coutinho@estadao.com), e Julia Affonso, repórter do jornal “O Estado de S.Paulo” (julia.affonso@estadao.com)
quinta-feira 29/01/15 23:49

Delator diz que recebeu US$ 2,5 mi em propina da Andrade Gutierrez

Por Ricardo Brandt e Fausto Macedo O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa afirmou em delação premiada que recebeu US$ 2,5 milhões da Andrade Gutierrez em contratos da Diretoria de Abastecimento – unidade que dirigiu entre 2004 e 2012. Ele disse que a empreiteira pagava propina ao PMDB e ao PP por meio do lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano. A Andrade Gutierrez é alvo de inquérito aberto esta semana pela Polícia Federal em nova etapa da Operação Lava Jato. À PF, ...

Ler post
quinta-feira 29/01/15 19:34

Procuradoria não libera depoimentos de agente da PF a Anastasia

Por Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Julia Affonso O Ministério Público Federal se opôs ao pedido do senador eleito Antonio Anastasia (PSDB-MG) para ter acesso aos depoimentos do agente da Polícia Federal Jayme Alves de Oliveira Filho, o Jayme Careca, apontado como "entregador de malas de dinheiro" a políticos a mando do doleiro Alberto Youssef, personagem central da Operação Lava Jato. Os procuradores da República Roberson Henrique Pozzobon e Deltan Martinazzo Dallagnol, que integram a força tarefa da Lava Jato, se ...

Ler post
quinta-feira 29/01/15 13:56

Crimes da Lava Jato desviaram cerca de R$ 2,1 bilhões, diz MPF

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt O Ministério Público Federal divulgou em um site lançado na quarta-feira, 28, que os crimes já denunciados desviaram aproximadamente R$ 2,1 bilhões da Petrobrás. Deste total, R$ 450 milhões já foram recuperados pela Procuradoria, que também pediu o ressarcimento de cerca de R$ 1 bilhão das construtoras na Justiça. As investigações da Operação continuam em andamento, e os valores podem aumentar. Até agora, foram instaurados 279 procedimentos, com 150 pessoas e 232 ...

Ler post
quinta-feira 29/01/15 11:51

Empreiteiro do cartel chama ministro de Dilma para sua defesa

Atualizada às 16h36

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

O empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, preso desde 14 de novembro na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), base da Operação Lava Jato, chamou o ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), para ser sua testemunha. Em resposta à acusação feita pela Procuradoria, juntado aos autos da Lava Jato nesta quinta-feira, 29, executivo arrolou também o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, o candidato à presidência da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT),  e os deputados Paulinho da Força (SD), Jutahy Júnior (PSDB), Arnaldo Jardim (PPS) e Jorge Tadeu Mudalen (DEM).

Foi chamado ainda o secretário municipal de saúde de São Paulo, José de Filippi Júnior, ex-tesoureiro da campanha de reeleição do ex-presidente Lula (PT), em 2006, e da primeira campanha da presidente Dilma Rousseff (PT), em 2010, e ex-prefeito de Diadema, cidade da região metropolitana da capital paulista. O criminalista Alberto Zacharias Toron, que defende o empreiteiro da UTC Engenharia, declarou que os políticos foram arrolados “porque são pessoas que conhecem o Ricardo (Pessoa), apenas por isso”. O executivo é o primeiro empreiteiro, réu da Lava Jato, a arrolar para sua defesa políticos e autoridades muito próximas de Dilma e Lula.

Pessoa é suspeito de liderar o ‘clube vip’ de empreiteiras alvo da Lava Jato, que investiga corrupção e propina na Petrobrás. No documento, ele alega cerceamento de defesa por falta de acesso a documentos e depoimentos prestados em delações premiadas, considerados imprescindíveis para responder à acusação.

“Provas amplamente utilizadas contra o denunciado são mantidas em sigilo sem que ele tenha a oportunidade de conhecê-las por inteiro e possa rebatê-las”, afirmam os criminalistas Alberto Toron, Carla Vanessa Domenico, Renato Marques Martins e Luisa Moraes Abreu Ferreira,  que defendem o executivo.

Ricardo Ribeiro Pessoa, presidente da UTC. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press

Ricardo Ribeiro Pessoa, presidente da UTC. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press

A defesa do executivo fez ainda uma ‘reclamação’ à Justiça. Segundo os advogados, as empresas Odebrecht e Andrade Gutierrez estão na denúncia do Ministério Público, como partes constituintes da ‘organização criminosa’, mas não fazem parte da ação penal.

“A denúncia sustenta que a dita organização criminosa era constituída, entre outras empreiteiras, pela Odebrecht e Andrade Gutierrez. Ocorre que não se vê nenhum controlador ou mesmo executivo destas empresas no polo passivo desta ação penal”.

COM A PALAVRA, O MINISTRO JAQUES WAGNER.

A assessoria de imprensa do Ministério da Defesa informou que o ministro só irá se pronunciar após ser notificado.

COM A PALAVRA, O DEPUTADO ARLINDO CHINAGLIA.

“Em relação à divulgação de pessoas listadas como testemunhas pela defesa do senhor Ricardo Pessoa (UTC Engenharia), afirmo desconhecer as razões pelas quais foram arrolados líderes empresariais, ministros e ex-ministros e parlamentares de diversos partidos. Em razão de minhas funções institucionais como presidente da Câmara Federal, recebi um conjunto de líderes empresariais, entre eles o senhor Ricardo Pessoa, este na condição de representante de associação empresarial. Finalmente, asseguro não manter relações pessoais com o referido senhor, nem tampouco vejo qualquer sentido em vir a testemunhar nesse processo.”

COM A PALAVRA, O DEPUTADO JUTAHY JÚNIOR.

Por telefone, o deputado afirmou que soube da inclusão de seu nome no rol de testemunhas pela imprensa.

“Acredito que meu nome tenha sido colocado (na lista de testemunhas) em função de uma doação legal, de R$ 300 mil, que a UTC fez em 2014 para minha campanha, que está no Tribunal Superior Eleitoral. Minha prestação de contas foi aprovada por unanimidade. Essa doação foi feita por uma decisão pessoal do Ricardo Pessoa. Conheço ele há muitos anos, apesar de ter ficado 40 anos sem vê-lo. Ele é um pouco mais velho que eu (o deputado tem 59 anos), é baiano, estudávamos em colégio próximos. Encontrei o Ricardo em 2010, não sabia que ele era o Ricardo Pessoa. Ele esteve em meu gabinete, acompanhado de um amigo dele, disse que desejava doar para minha campanha e doou em 2010. Em abril de 2014, eu estive na UTC, em São Paulo, com ele, pessoalmente. Meu último contato foi em julho de 2014. Após a doação, eu telefonei para agradecer. Não sabia de irregularidade”, afirmou o deputado. “Eu aceitaria (ser testemunha). Se for para tratar da doação. A única relação que eu tenho com Ricardo Pessoa e UTC é a doação de campanha.”

LEIA A ÍNTEGRA DA RESPOSTA DO EMPREITEIRO RICARDO PESSOA À ACUSAÇÃO

Ler post
quinta-feira 29/01/15 10:31

IML troca corpo e Ceará é condenado a indenizar família

Por Julia Affonso O Estado do Ceará foi condenado a indenizar três mulheres em R$ 41,5 mil, após o Instituto Médico Legal liberar o corpo de um idoso para a família errada. A Justiça concluiu que houve negligência do Estado. O idoso havia falecido, vítima de um engasgo, em julho de 2008. Do hospital, o corpo foi levado pela funerária para o velório em um cemitério de Fortaleza. No local, a mãe e duas filhas receberam a informação de que a médica responsável ...

Ler post
quinta-feira 29/01/15 00:24

Corrupção na Petrobrás é pior que mensalão, diz defesa de doleiro

Por Fausto Macedo e Mateus Coutinho A defesa do doleiro Alberto Youssef, personagem central da Operação Lava Jato, comparou o esquema de corrupção e propinas na Petrobrás ao mensalão, escândalo que abalou o primeiro governo Lula e culminou com a condenação do ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu. Em defesa prévia entregue à Justiça Federal do Paraná, base da Lava Jato, os advogados de Youssef refutaram a acusação de que ele foi o líder da organização criminosa que se instalou ...

Ler post
quarta-feira 28/01/15 20:58

Justiça arresta bens e quebra sigilo bancário e fiscal de Gabrielli

O ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli. Foto: Ulisses Dumas/Estadão

Por Fausto Macedo e Ricardo Brandt [caption id="attachment_10796" align="aligncenter" width="493"]O ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli. Foto: Ulisses Dumas/Estadão O ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli. Foto: Ulisses Dumas/Estadão[/caption] A Justiça do Rio de Janeiro decretou a quebra do sigilo bancário e fiscal e o arresto dos bens do ex-presidente da Petrobrás José Sérgio Gabrielli, do ex-diretor de Serviços  Renato Duque, do ex-gerente de Engenharia Pedro ...

Ler post
quarta-feira 28/01/15 19:15

Empreiteira diz à Justiça que foi alvo de ‘achaques’ de ex-diretor da Petrobrás

Sérgio Cunha Mendes. Foto: Reprodução

Por Ricardo Brandt, Julia Affonso e Mateus Coutinho A defesa do empresário Sérgio Cunha Mendes, vice presidente da empreiteira Mendes Júnior, pediu sua absolvição sumária à Justiça Federal no Paraná sob alegação de que ele foi vítima de "achaque". Para assegurar contratos com a Petrobrás, Sérgio Mendes teria sido obrigado a repassar valores ilícitos para o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, "com o auxílio" do doleiro Alberto Youssef. Costa e Youssef, personagens centrais do suposto esquema de corrupção e propinas ...

Ler post
quarta-feira 28/01/15 17:17

Agente da PF diz ter transportado dinheiro de operador do PMDB

jayme-alves-de-oliveira-filho

Atualizada em 29/1, às 19h51 Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo Em termo de declaração prestado à Polícia Federal, o policial Jayme Alves de Oliveira Filho, acusado de trabalhar no “delivery da propina” montado pelo doleiro Alberto Youssef, disse que transportou dinheiro a mando do lobista Fernando Antônio Falcão Soares, acusado de ser o operador do PMDB no esquema de corrupção da Petrobrás, alvo da Operação Lava Jato. Careca, como é conhecido o agente federal que trabalhava para Youssef, revelou que ...

Ler post