Arquivos da Odebrecht mostram interesse de pecuarista amigo de Lula em privatizações de estradas

Arquivos da Odebrecht mostram interesse de pecuarista amigo de Lula em privatizações de estradas

E-mails apreendidos na sede da empreiteira, em São Paulo, indicam que José Carlos Bumlai, que gozava de acesso irrestrito ao gabinete da Presidência, tentou agendar reunião com dono de empreiteira no governo Dilma; encontro 'nunca ocorreu', afirma assessoria

Ricardo Brandt, Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Julia Affonso

02 Outubro 2015 | 05h00

O pecuarista José Carlos Bumlai com o presidente Lula

O pecuarista José Carlos Bumlai com o presidente Lula

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

A análise dos arquivos de computadores apreendidos com os executivos da Odebrecht e seu presidente, Marcelo Bahia Odebrecht, revelou uma nova frente de interesses do empresário e pecuarista José Carlos Bumlai no governo federal: a concessão de rodovias. Em 2013, Bumlai – amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que gozava de acesso irrestrito ao gabinete presidencial – pediu uma reunião com Odebrecht, o maior empreiteiro do País, preso desde 19 de junho de 2015 alvo da Operação Lava Jato.

Era 28 de outubro, por volta do meio dia, quando a secretária de Odebrecht escreve para o e-mail do empreiteiro. No espaço reservado para o assunto, na caixa de conversa, ela registrou: “José Carlos Bumlai”. “Quer agendar uma conversa com o Sr. esta semana”, escreveu ela no texto do e-mail.
O empresário responde que se ela conseguir um horário em sua agenda, para que confirme, fazendo uma única recomendação à funcionária: “pergunte a ele qual assunto para eu eventualmente trazer alguém que conheça o tema”. Vinte minutos depois ela responde: “Privatizações das BRs”.


EMAIL 2013 BUMLAI ENCONTRO BRS

“Provavelmente tratam de reunião com José Carlos Bumlai para falarem sobre privatização das BRs”, deduz o Relatório de Análise da Polícia Federal 438/2015, assinado pelo agente Marcos Hiroshi Inoue.
Por meio de sua assessoria de imprensa, Bumlai foi taxativo: ‘não tem qualquer negócio no setor de rodovias, nunca participou de concessões federais de rodovias’.

Em setembro de 2013, o governo Dilma retomou o programa de privatização de rodovias federais, lançado um ano antes, parte do pacote do Programa de Investimento em Logística (PIL). A Investimentos e Participações em Infraestrutura SA (Invepar) – Odebrecht Transporte SA era um dos grupos concorrentes.

Bumlai aparece em outras trocas de mensagens de Odebrecht e seus executivos. O empreiteiro e cinco funcionários do grupo foram os alvos principais da Operação Erga Omnes – 14ª fase da Lava Jato, que mirou a Odebrecht e a Andrade Gutierrez. Eles se referem a Bumlai como “pecuarista”, registra a PF.

Em uma delas, em junho de 2010 – último ano do governo Lula – o “pecuarista” é novamente citado no contexto de uma troca de mensagens em que discutem uma reunião privada com o presidente de Angola José Eduardo dos Santos, tratado pela sigla “JES”, segundo a PF. Há outras siglas na mensagem.

EMAIL PECUARTISTA ANGOLA

Livre acesso. Bumlai é um dos maiores e mais bem sucedidos pecuaristas do Brasil. Sua proximidade com Lula é conhecida desde o primeiro governo (2003-2006). Seu nome havia sido citado como participante da criação de um dos consórcios da obra da Usina Hidrelétrica de Belo Monte – alvo das investigações da Lava Jato. Os delatores da empreiteira Camargo Corrêa afirmaram saber de pelo menos R$ 110 milhões em propina na obra.

Em 2008, quando Bumlai foi barrado em visita ao Planalto, Lula ordenou que o Gabinete de Segurança Institucional deixasse fixado na recepção um cartaz com foto do amigo pecuarista com o aviso: “O sr. José Carlos Bumlai deverá ter prioridade de atendimento (…) em qualquer tempo e qualquer circunstância”.

COM A PALAVRA, JOSÉ CARLOS MARQUES BUMLAI

Por sua assessoria de imprensa, o pecuarista José Carlos Bumlai rechaçou participação em qualquer negócio no setor de rodovias. A assessoria foi taxativa: Bumlai ‘nunca participou de concessões federais de rodovias.’

Estadão: Vocês têm negócios no setor de rodovias?

Assessoria de Bumlai: O sr. José Carlos Bumlai não tem qualquer negócio no setor de rodovias.

Estadão: Vocês participaram de concessões federais de rodovias?

Assessoria de Bumlai: O sr. José Carlos Bumlai nunca participou de concessões federais de rodovias.

Estadão: Qual assunto BRs foi tratado com a Odebrecht?

Assessoria de Bumlai: Não foi tratado nenhum assunto, pois não houve reunião.