Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » André Negão, vice do Corinthians, é preso em flagrante na Xepa

Política

André Negão, vice do Corinthians, é preso em flagrante na Xepa

Politica

ANDRé NEGãO

André Negão, vice do Corinthians, é preso em flagrante na Xepa

André Luiz de Oliveira, sob suspeita de recebimento de propinas da Odebrecht nas obras do Itaquerão, foi detido por posse ilegal de armas; depois de autuado, pagou fiança de R$ 5 mil e foi solto

0

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Mateus Coutinho

22 Março 2016 | 13h04

André Luiz de Oliveira é vice-presidente do Corinthians. Foto: Felipe Rau/Estadão

André Luiz de Oliveira é vice-presidente do Corinthians. Foto: Felipe Rau/Estadão

Atualizada às 15h01

O vice-presidente do Corinthians, André Luiz de Oliveira, o André negão, foi preso em flagrante nesta terça-feira, 22, em São Paulo, por posse ilegal de armas. Alvo da Operação Xepa, nova fase da Lava Jato, André Negão é suspeito de ter recebido R$ 500 mil em propinas da Odebrecht. Ele estava com duas pistolas.

Às 6h, agentes da Polícia Federal foram a sua casa no Tatuapé com a missão de conduzi-lo coercitivamente para depor na Superintendência da Corporação, na Lapa. Durante as buscas em sua residência, os federais encontraram uma arma de fogo, sem licença.

odebrecht-cor4

odebrecht-cor3

odebrecht-cor2 odebrecht-cor

 

O nome de André Negão apareceu na planilha de contabilidade secreta de propinas da Odebrecht, sob o codinome ‘Timão’ ao lado da palavra ‘Alface’. A planilha foi apreendida na casa da secretária dos altos executivos da empreiteira, Maria Lucia Tavares. A empreiteira é responsável pelas obras do Itaquerão, estádio do Corinthians, que sediou a abertura da Copa do Mundo 2014.

Na planilha, André Luiz de Oliveira está ligado a ‘uma anotação de um possível pagamento’ no endereço Rua Emilio Mallet, em São Paulo, ‘a ser liquidado na data de 23 de outubro de 2014, no valor de R$ 500 mil, com a anotação do telefone’.

[veja_tambem]

“Em consulta a banco de dados restrito, obtém-se a informação de que André Luiz de Oliveira reside no mesmo endereço da entrega, tratando-se muito provavelmente, portanto, do ANDRÉ mencionado na planilha”, aponta relatório da Polícia Federal. “André Luiz de Oliveira é dirigente do Corinthians, o que justificaria, portanto, a utilização do codinome ‘Timão’.”

Depois de autuado, André Negão pagou fiança de R$ 5 mil e foi solto.

Na porta da PF, ele disse que foi preso por causa “dessas armas velhas em casa” – em referência às duas pistolas apreendidas em seu poder.

Sobre a suposta propina de R$ 500 mil que teria recebido da Odebrecht, o vice do Corinthians afirmou. “Eu não sei de valor nenhum. Para mim não tem valor nenhum, para mim não foi atribuído valor nenhum. Nunca recebi nada. A Lava Jato não me acusa de nada”, disse.

O documento da PF destaca ainda Antonio Roberto Gavioli, diretor de Contrato na Odebrecht Infraestrutura, vinculado à obra da Arena do Corinthians. “Segundo a planilha, ele era o contato para o pagamento ao codinome “TIMÃO”, em evidente alusão à obra do Corinthians. Foi requisitado o pagamento de R$ 500 mil”, sustenta a PF.

qualifica andre negao

Comentários