Alexandre diz esperar que STF coloque Joesley e Saud em preventiva

Ministro do Supremo ainda chamou os delatores de 'criminosos arrogantes'

Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Igor Gadelha

13 Setembro 2017 | 14h35

Ministro Alexandre de Moraes, do STF. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal afirmou que as prisões temporárias dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, dono e diretor do Grupo J&F, foram corretas e sugeriu que sejam convertidas em preventivas, isto é, sem prazo de validade.

“Necessárias, absolutamente corretas e eu espero que a prisão temporária aqui no Supremo seja convertida pela preventiva”, afirmou Moraes instantes antes da sessão plenária do STF na tarde desta quarta-feira, em que se discutirá, entre outros temas, os efeitos que a eventual rescisão do acordo de colaboração prendada de delatores tem sobre a validade das provas colhidas por meio deles.

Chamando Joesley e Saud de “criminosos arrogantes”, Moraes minimizou as citações feitas a ministros do Supremo na conversa gravada entre os dois delatores que veio a público na semana passada. “Em nenhum dos áudios se falou nada funcional sobre o supremo”, disse.


“São pessoas arrogantes, são criminosos, que não estavam bêbados. São criminosos arrogantes que falaram coisas absolutamente imorais e ofensivas em relação a alguns ministros, mas sem nenhuma ligação com o cargo. Ou seja, não há nada em relação ao Supremo nestes áudios”, disse Moraes.

Moraes também afirmou que os dois já deveriam estar presos.

“Nada salvo a agressão gratuita de criminosos que já deveriam estar e agora estão na cadeia”, afirmou Moraes.