Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Aécio depõe na PF em inquérito sobre CPMI dos Correios

Política

Aécio depõe na PF em inquérito sobre CPMI dos Correios

Politica

LAVA JATO

Aécio depõe na PF em inquérito sobre CPMI dos Correios

Senador é alvo de duas investigações no Supremo Tribunal Federal relatadas pelo ministro Gilmar Mendes e que são desdobramentos da Lava Jato

0

Fausto Macedo e Fabio Serapião

27 Dezembro 2016 | 17h08

Aécio Neves. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Aécio Neves. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador Aécio Neves prestou depoimento à Polícia Federal no âmbito do inquérito no qual é suspeito de “maquiar” dados da CPI dos Correios, em 2005, e esconder uma suposta relação entre o Banco Rural e o chamado mensalão mineiro. Na época, Aécio era governador de Minas. Também são investigados Clésio Andrade, que era vice-governador do tucano, e o atual prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), que era filiado ao PSDB. O depoimento foi realizado no início da semana passada.

Segundo o delator e ex-senador Delcídio do Amaral, em 2005, durante a CPMI dos Correios, criada para investigar denúncias do mensalão, o tucano “enviou emissários” para barrar quebras de sigilo de pessoas e empresas investigadas, entre elas o Banco Rural.

Um dos emissários, segundo Delcídio, era Eduardo Paes, então secretário-geral do PSDB. O relatório da CPMI, disse o delator, foi aprovado com “dados maquiados” e que Paes e o deputado Carlos Sampaio também tinha conhecimento dos fatos. Carlos Sampaio foi excluído da investigação.

“Outros parlamentares também sabiam que esses dados estavam maquiados, podendo citar os deputados Carlos Sampaio e Eduardo Paes, já mencionado, dentre outros que não se recorda. Esses fatos ocorreram em 2005/2006. Esse tema foi tratado com Aécio Neves em Belo Horizonte, no palácio do governo”, afirma um trecho da delação de Delcídio.

Aécio também é alvo de outra investigação sobre desvios praticados em Furnas. Os dois pedidos que deram origem aos inquéritos foram feitos pela Procuradoria-Geral da República a partir da delação premiada do ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). No caso de Furnas, o tucano é investigado por suposto recebimento de propina de empresas terceirizadas que mantinham contrato com a estatal. A vantagens indevidas seriam pagas pelas empresas ao ex-diretor da companhia, Dimas Toledo, que as repassava para o tucano.

Com a palavra, a defesa de Aécio:

O senador Aécio Neves, como previsto, prestou esclarecimentos, demonstrando a absoluta improcedência das citações feitas pelo ex-senador Delcídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios