Advogado de Picciani diz que TRF2 ‘errou’ ao mandar prender seu cliente

Advogado de Picciani diz que TRF2 ‘errou’ ao mandar prender seu cliente

Nélio Machado, que representa o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, disse que 'estão punindo suposto pecador sem dar a ele o direito de defesa'

Fernanda Nunes e Constança Rezende/RIO

16 Novembro 2017 | 18h25

Jorge Picciani. FOTO TANIA REGO/AGENCIA BRASIL

Nélio Machado, advogado de defesa do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), disse que o “tribunal errou” ao determinar a prisão preventiva do seu cliente e também dos deputados Paulo Mello e Edson Albertassi. Os três são parlamentares pelo PMDB do Rio. “Estão punindo suposto pecador sem dar a ele o direito de defesa”, afirmou.

‘Você é nosso líder, conte comigo pra qualquer parada’

Empresa de Picciani fez até ‘terceirização’ de lavagem de dinheiro, diz Procuradoria

Picciani e Paulo Melo pegaram R$ 112 mi em propinas, diz Procuradoria

+ No Zap, Pezão recorreu a Picciani para reconduzir juiz ao TRE do Rio

Machado argumenta que os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF-2) fizeram um pré-julgamento ao avaliar nesta quinta-feira, 16, as denúncias do Ministério Público Federal (MPF) de envolvimento dos parlamentares em esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro.

“Estão confundindo prisão preventiva com pena antecipada. O que se vê na decisão é que se toma como verdadeira a versão de pessoas que têm a posição de colaboradoras em troca de vantagens. Ninguém leu o depoimento dele (Picciani) na Polícia”, disse Machado.

O advogado disse que não há tempo hábil para tentar liberar o presidente da Alerj por meio de habeas corpus. Para ele, a melhor opção será aguardar pelo posicionamento da Assembleia, que poderá suspender a decisão do TRF-2, tomada nesta quinta-feira.

“Amanhã é sexta-feira. Segunda-feira é feriado. Tudo isso conspira em nosso desfavor”, acrescentou. Em sua opinião, a prisão só deveria acontecer depois de os deputados estaduais se manifestarem.