‘A única coisa de errado que eu fiz foi a delação’

‘A única coisa de errado que eu fiz foi a delação’

Empresário Wesley Batista, acionista da JBS preso nesta quarta-feira, 13, na Operação Acerto de Contas, se disse 'arrependido' do acordo de colaboração firmado com a Procuradoria-Geral da República

Julia Affonso e Luiz Vassallo

14 Setembro 2017 | 05h00

Wesley Batista. Foto: Werther Santana/Estadão

O empresário Wesley Batista, acionista da JBS, disse nesta quarta-feira, 13, que a ‘única coisa que fez de errado foi a delação’. Em audiência de custódia na 6.ª Vara Criminal Federal em São Paulo, Wesley se disse ‘arrependido’ do acordo de colaboração premiada que firmou com a Procuradoria-Geral da República.

Wesley foi preso na Operação Acerto de Contas, nova etapa da Tendão de Aquiles, que investiga ganhos extraordinários do Grupo J&F, controlador da JBS, por meio de informações privilegiadas da própria delação no mercado financeiro.

A prisão preventiva – sem prazo para expirar – de Wesley foi decretada pelo juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal.


O magistrado também ordenou a prisão em regime preventivo do irmão de Wesley, Joesley Batista, que já está recolhido em Brasília.

Capturado em sua residência, na Rua das Antilhas, no Jardim América, Wesley foi levado pela PF à audiência de custódia, na Justiça Federal.