‘A prisão de poderosos está prestes a se tornar uma lenda no Brasil’, diz Deltan da Lava Jato

‘A prisão de poderosos está prestes a se tornar uma lenda no Brasil’, diz Deltan da Lava Jato

Em sua conta no Twiter, procurador da força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba, diz que 'não se trata de Lula, mas da impunidade de todos os poderosos'

Luiz Vassallo

02 Abril 2018 | 21h22

Deltan Dallagnol. FOTO: THEO MARQUES/ESTADÃO

O procurador da República Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, postou em sua conta no Twitter o que espera do julgamento no Supremo Tribunal Federal, quarta-feira, 4, Dia D para Lula. “A prisão de poderosos está prestes a se tornar uma lenda no Brasil.”

Os ministros da Corte vão julgar pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do triplex do Guarujá.

Lula quer reconhecido o direito de recorrer até a última instância, até o trânsito em julgado. Mas o próprio Supremo, em outubro de 2016, firmou entendimento que autoriza execução da pena em caso de condenação em segunda instância.

Nesta segunda-feira, 2, grupos que se opõem sobre o tema protocolaram manifestos no Supremo. De um lado, mais de 5 mil promotores, procuradores e juízes entregaram à Corte Nota Técnica em que defendem imediata prisão para condenados em segunda instância. De outro lado, mais de 3 mil advogados pedem aos ministros que acatem o princípio da presunção da inocência.

“Conversando com amigos, percebi que não compreendiam a importância da decisão que o Supremo tomará na próxima quarta-feira. Não se trata de Lula, mas da impunidade de TODOS os poderosos”, escreveu Deltan.