‘A história me reservou este momento’, diz Collor pelo impeachment de Dilma

‘A história me reservou este momento’, diz Collor pelo impeachment de Dilma

Senador, denunciado na Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro, foi afastado em 1992 da presidência da República: 'alertei-a sobre a possibilidade de sofrer impeachment, mas não me escutaram'

Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

12 Maio 2016 | 04h30

O senador Collor é alvo da Lava Jato. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O senador Collor é alvo da Lava Jato. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O senador Fernando Collor (PTC/AL), denunciado na Operação Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro, cassado da Presidência da República em outubro de 1992, relembrou seu afastamento para fazer duras críticas à presidente Dilma por ter cometido crime de responsabilidade.

Foi o 38.º senador a falar na sessão histórica do Senado.

“A história me reservou este momento. Devo vivê-lo no estrito cumprimento de um dever. Tudo nos prova que a cada dia os nossos costumes se abrandam, os espíritos se esclarecem e a razão conquista terreno”, afirmou, citando o filósofo franco-alemão Barão d’Holbach (1723-1789).


Inicialmente, Collor lembrou detalhes do seu próprio impeachment, que parou o País há 24 anos. Lembrou que o parecer pelo afastamento de Dilma tem 128 páginas. O parecer por seu impeachment tem ‘meia página, apenas dois parágrafos, apenas dois parágrafos’.

Em seguida, fez pesadas críticas à gestão da petista.

[veja_tambem]

“Todas as tragédias  que se podem imaginar reduzem-se a uma mesma e única tragédia: o transcorrer do tempo”, disse. “É o mesmo tempo imperioso do mundo que nos traz à razão. É nesta quadra de adversidade para uns e tragédias para outros que constatamos que o maior crime de responsabilidade está na irresponsabilidade pelo desleixo com a política, na irresponsabilidade pela deterioração econômica de um País, na irresponsabilidade pelos sucessivos e acachapantes déficits fiscais e orçamentários, na irresponsabilidade pelo aparelhamento desenfreado do Estado que o torna inchado, arrogantes e ineficaz, na irresponsabilidade pela ação ou omissão perante obstruções da Justiça.”

Collor prosseguiu, enfático, dirigindo-se a Renan Calheiros, presidente do Congresso. “É crime de responsabilidade, senhor presidente, a mera irresponsabilidade com o País. Seja por incompetência, negligência ou má-fé. Mas não foi por falta de aviso. Desde o início deste governo, fui ao longo dos anos, a diversos interlocutores da presidente para mostrar os problemas que eu antevia e que desembocaram nesta crise sem precedentes. Falei na minha convicção, dentro da minha convicção, dos erros na economia, da excessiva intervenção estatal, nas imprudentes renúncias fiscais. Falei da falta de diálogo com o Parlamento. Nos raros momentos com a presidente, externei minhas preocupações, especialmente quanto à sua reeleição, após a sua reeleição, quando sugeri a ela uma reconciliação de seu novo governo com seus eleitores e com a classe política. Sugeri que fosse à televisão pedir desculpas por tudo que se falou na campanha eleitoral, desmentido depois por seus próprios atos os primeiros meses do atual mandato. Alertei-a sobre a possibilidade de sofrer impeachment, mas não me escutaram. Coloquei-me à disposição, ouvidos de mercador. Desconsideraram minhas ponderações. Relegaram minha experiência. A auto-suficiência pairava sobre a razão.”

O senador disse ainda. “Uma nova política precisa se estabelecer. Seja qual for o resultado de hoje, precisamos virar esta página, repensar em instituir a política pela qual a sociedade clama. O atual processo de impeachment nada mais é do que a tentativa de a partir do passado, aplainar o presente para decantar o futuro. O futuro em que precisaremos conciliar uma altiva e corajosa voz de comando do Executivo com a moderadora e conciliadora voz do Legislativo”, afirmou.