Defesa de Odebrecht acredita que Moro irá revogar ordem de prisão

Criminalista Nabor Bulhões afirma que explicações do presidente da empreiteira e elementos da instrução do processo tornam continuidade de medida cautelar 'injustificada'

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Mateus Coutinho

30 Outubro 2015 | 15h55

Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de junho, em Curitiba. Foto: Cassiano Rosário/Futura Press

Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de junho, em Curitiba. Foto: Cassiano Rosário/Futura Press

O criminalista Nabor Bulhões, que defende o empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht, afirmou nesta sexta-feira, 30, após interrogatório de seu cliente em processo da Operação Lava Jato, ter a expectativa de que o juiz federal Sérgio Moro revogue a prisão preventiva de seu cliente.

“Temos a esperança a essa altura que o próprio magistrado reveja a prisão preventiva decretada, porque quando decretada, o foi com base em fatos que foram absolutamente afastados durante a instrução não apenas pela palavra de Marcelo (Odebrecht), mas pelas testemunhas da acusação, pelas testemunhas da defesa e pelos próprios delatores”, afirmou Bulhões, em Curitiba.


Odebrecht está preso desde 19 de junho, quando foi deflagrada a Operação Erga Omnes, desdobramento da Lava Jato. Nabor Bulhões lembrou que um dos elementos que levaram à decretação de prisão de Odebrecht, a troca de emails tratando do assunto navios-sonda, foi desqualificado pelo delator Pedro Barusco, ex-gerente de Engenharia da Petrobrás, ouvido nesta-quinta, 29, no mesmo processo. “O proprio Barusco, gerente-executivo da Petrobrás, diz que isso náo passou de um enorme equívoco do Ministério Públicos e da Polícia Federal”, destacou Bulhões.

[veja_tambem]

A decretação de prisão de Odebrecht, segundo Nabor, sobre esse fundamento é “insubsistente”.
“Marcelo teve a oportunidade de mostrar e demonstrar nas respostas que produziu circustanciadamente, que as especulaçções desenvolvidas em torno das suas notas pessoaIs, produzidas por ele para ele mesmo, não passaram de mistificações da Polícia Federal e do Ministério Público.”

Bulhões disse, em entrevista à imprensa em Curitiba, que considera que ao fim de uma “penosa” instrução processual, com seu cliente preso, há a “absoluta constatação de que Marcelo é absolutamente inocente”.

“Nós temos a esperança, a expectativa, que o eminente magistrado, ciente e consciente que essa é a realidade efetiva dos autos, revogue a prisão preventiva que já se prorroga de maneira aflitiva por muito mais tempo de que se poderia imaginar e admitir”, disse o criminalista. “Afinal, prisão preventiva não significa antecipação de punição.”