Velloso na Justiça

Eliane Cantanhêde

15 Fevereiro 2017 | 09h46

Ao convidar o ex-ministro do STF Carlos Velloso para o Ministério da Justiça, na terça-feira, 14/02, o presidente Michel Temer matou não dois, mas três coelhos com uma só cajadada. Velloso é um jurista respeitado nacionalmente na esquerda, no centro e na direita, é amigo pessoal e da confiança do constitucionalista Temer e corrige uma distorção do governo ao dar um cargo de primeiro escalão para Minas Gerais.

É a primeira vez, em décadas, que Minas fica sem ministério, apesar de ser um dos três principais estados brasileiros na economia, na política e na população. Como comparação, Pernambuco tem cinco ministros. Cinco a zero?!

Ao mesmo tempo, Temer resistia à pressão do PMDB mineiro para nomear o deputado Rodrigo Pacheco para a Justiça, por duas conclusões óbvias: o PMDB é um dos partidos mais visados na Lava Jato e Pacheco é um ilustre desconhecido no meio jurídico e na opinião pública. Digamos que não chega a ser um “notável” e, portanto, seria como Ricardo Barros (PP-PR) na Saúde. A gritaria seria estridente.

Não por acaso, Temer recorreu ao senador Aécio Neves para sair dessa enrascada. Presidente nacional do PSDB, Aécio é também ex-governador de Minas. Cada vez mais próximos, Temer e Aécio tiraram o deputado peemedebista da jogada e puseram o nome do também mineiro Carlos Velloso. Mesmo que não seja ele, conseguem aliviar a pressão.

Há dois grandes “senões” à indicação de Velloso, e eles se potencializam: ele tem mais de 80 anos e não entende nada de segurança pública, mas a pasta passou a ser Ministério da Justiça e da Segurança Pública justamente num momento de grande tensão no Rio, no Espírito Santo, no Norte, no Nordeste…

Para compensar essa desvantagem de Velloso, o presidente já mandou sondar José Mariano Beltrame, ex-secretário de Segurança Pública do Rio, para ocupar a Secretaria Nacional de Segurança e tourear essa área explosiva que ajuda a piorar o humor da sociedade e a tirar o sono de Temer.

No Planalto, há dúvidas quanto ao timing para anunciar o novo ministro da Justiça e Temer tende a esperar a sabatina de Alexandre de Moraes no Senado, prevista para a próxima semana. Acha que poderia parecer “soberba” anunciar agora o sucessor de Moraes, como se já desse como favas contadas sua aprovação pelos senadores. Que ele dá, é verdade, mas está preferindo seguir o ritual e o script, para escapulir de nova onda de críticas.

 

0 Comentários