Fecha-se o cerco pró Anastasia em MG

Eliane Cantanhêde

23 Fevereiro 2018 | 16h26

Depois da pressão do governador e pré-candidato Geraldo Alckmin, agora intensifica-se a dos deputados federais e estatuais do PSDB de Minas para que o senador e ex-governador Antônio Anastasia aceite disputar o governo do estado pelo PSDB.

Os sete deputados federais e os oito estaduais do partido têm jantar marcado para segunda-feira, em Belo Horizonte, na casa de um deles, Eduardo Barboza, presidente da Federação das APAEs e um dos principais especialistas em políticas sociais no Congresso.

Anastasia tentava reagir à candidatura, mas conversou longamente com Alckmin nesta semana e está sendo convencido de que é peça estratégica para a campanha nacional do PSDB e para unir as oposições mineiras ao governo do petista Fernando Pimentel em outubro.

Em desvantagem histórica no Nordeste, principal reduto do PT, o PSDB também pode perder votos nos estados do Sul para o candidato Alvaro Dias, do Paraná, um ex-tucano.

Assim, cresce a importância de Minas para a campanha de Alckmin, lembrando que os tucanos perderam no estado (um dos três maiores colégios eleitorais do País) no primeiro e no segundo turno em 2014, mesmo o candidato à Presidência sendo o ex-governador mineiro Aécio Neves.

Anastasia foi vice governador de Aécio e depois elegeu-se governador. Como senador, foi relator do impeachment da também mineira Dilma Rousseff.  É um político muito respeitado como intelectual, gestor e homem público austero.