Cabral com Gilmar, Lula com Fachin

Eliane Cantanhêde

02 Fevereiro 2018 | 19h51

O ex-presidente Lula entrou com pedido de Habeas Corpus no Supremo nesta sexta-feira, 2/2, para tentar evitar ser preso e reabrir o debate sobre prisão após condenação em segunda instância, driblando a decisão da presidente Carmen Lucia de não por em pauta.

Agora ora é certo: o pedido de Habeas Corpus para o ex-governador Sérgio Cabral tentar voltar para o Rio caiu com o ministro Gilmar Mendes. E, assim, como o HC de Cabral foi destacado para Gilmar porque o ministro cuida de casos correlatos, o de Lula tem tudo para cair com o ministro Edson Fachin, que é relator da Lava Jato.

O Habeas Corpus de Lula é preventivo, para tentar evitar que ele seja preso após os embargos declaratorios da defesa no TRF-4, que o condenou a 12 anos e um mês pelo triplex do Guarujá.

A expectativa é de que Fachin leve o HC de Lula à segunda turma e ao plenário, o que, na prática, significaria reabrir a discussão sobre cumprimento de pena após condenação em segunda instância. A presidente Carmen Lucia tinha anunciado publicamente que não poria a questão em pauta.

Aliás, um detalhe que não passou despercebido no supremo: tanto Cabral quanto Lula aguardaram a reabertura do judiciário para entrar com Habeas Corpus. Medo da rigidez de Carmen Lucia?