Ainda no jogo de damas: paradoxos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ainda no jogo de damas: paradoxos

Quando candidatos inelegíveis lançam suas mulheres em seus lugares, reforçam o padrão machista que relega as mulheres a um papel secundário na política, mas a questão de gênero não é debatida na política

Redação

18 Setembro 2014 | 14h47

Por Silvana Batini Cesar Góes*
Em 2010, o ex governador Joaquim Roriz foi barrado pela justiça eleitoral e na última hora lançou sua mulher para substituí-lo como candidata a governadora. Inexperiente, mas leal, a candidata participou de um debate na TV com os adversários, onde protagonizou cenas constrangedoras que caíram na internet e se tornaram virais. Recentemente o vídeo voltou a circular nas redes e de novo fez sucesso, pelo riso fácil que algumas cenas provocam.Nesta semana dois candidatos a governador seguiram o mesmo caminho. Barrados pela lei da ficha limpa, desistiram de suas candidaturas para governador e lançaram suas mulheres. Encontraram uma forma de driblar a regra. Em direito chamamos isto de fraude à lei.

A prática de usar esposas como alternativas eleitoreiras não é recente. Em 2002 Garotinho desistiu de disputar a reeleição para o governo do Rio e preferiu se arriscar em uma candidatura a presidente. Mas deixou sua mulher no seu lugar.

No Brasil temos uma lei que obriga os partidos a comporem as chapas para cargos proporcionais, reservando pelo menos 25% de vagas para mulheres. A fixação da cota feminina tem o objetivo de modificar um padrão historicamente masculino da vida política.

Quando candidatos inelegíveis lançam suas mulheres em seus lugares, reforçam o padrão machista que relega as mulheres a um papel secundário na política. Na linguagem das nossas tradições estes políticos escarnecem da lei e reafirmam o seu espaço de poder. É a identidade deles que prevalece sobre a de suas esposas.

O incrível é que isto tudo esteja acontecendo na mesma eleição em que duas mulheres duelam genuinamente pelo cargo de Presidente da República, mas a questão de gênero não é debatida.

O Brasil é realmente um país de paradoxos.

 *Professora da FGV Direito Rio