1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

Pesquisadores e professores da FGV Direito Rio, em parceria com o Estadão, analisam a disputa nas redes sociais e suas repercussões nos julgamentos do TSE e na legislação brasileira
segunda-feira 03/11/14 18:38

Quem tem medo das urnas eletrônicas?

Por Silvana Batini e Eduardo Muylaert* A animosidade não se dissipou: a bola da vez é o pedido de "auditoria especial" formulado pelo PSDB, inclusive com base em suspeitas das redes sociais. O TSE pode apenas indeferir o pedido que, aparentemente, não invoca previsão legal nem aponta fato específico. Por se tratar de um pedido administrativo, nada impede que o TSE o receba e decida enfrentar a discussão. A Lei Eleitoral prevê que os partidos podem fiscalizar todas as fases ...

Ler post
sexta-feira 31/10/14 16:14

Cai o pano?

Por Silvana Batini Cesar Góes* Encerradas as eleições, as redes reverberam mensagens de eleitores vitoriosos e derrotados, como se fizessem parte de uma grande plateia que se retira do teatro comentando o espetáculo depois de caído o pano. Mas a cena continua atrás das cortinas, só que em embates jurídicos menos populares. Refiro-me especificamente ao papel jurisdicional que os tribunais eleitorais continuam exercendo depois das eleições, e cujas decisões ainda podem repercutir em mandatos recém-adquiridos nas urnas. A dinâmica acelerada do período de propaganda ...

Ler post
sábado 25/10/14 13:47

Muito volume, pouca profundidade

Por Fernando Fontainha* Nestas eleições, o que ninguém põe em questão é: como é possível um debate mais aprofundado, no qual concepções densas sobre o Brasil podem ser feitas, nos moldes propostos pelas TVs e pelas redes sociais? Os canais de TV aberta concebem um debate político que é uma alternância rápida de turnos de fala de no máximo três minutos cada. As redes sociais propõem uma interface estruturada na forma de timeline, uma lista cronológica ...

Ler post
sábado 25/10/14 08:38

O day after nas redes e nos jornais

Por Eduardo Muylaert* O mundo saberá quem vai presidir o Brasil por volta das 21 horas de domingo.  Mesmo assim, as análises ex post facto (feitas depois que os fatos aconteceram) vão ser bem conflitantes. O que veremos de imediato nas redes e nos jornais do dia seguinte? A capa grita AÉCIO ELEITO, em cima de uma foto do candidato exultante e cercado de correligionários. Logo abaixo, as matérias imprescindíveis: o efeito do último debate, o erro dos institutos de pesquisas, a ...

Ler post
quarta-feira 22/10/14 13:46

Mais informação, mais debate? A política na rede.

Por Fernando Leal* Se na televisão as acusações aumentam e o tom agressivo dos debates entre os candidatos se intensifica, na rede não é diferente. Neste segundo turno, a disputa entre os dois candidatos permanece acirrada nos números e intensa nos palanques – reais e virtuais. Na guerra virtual, porém, partidários de cada candidato cada vez mais se embrenham em suas trincheiras e aplicam golpes cada vez mais duros contra os seus adversários. Parece que, neste momento, muitos espaços na rede ...

Ler post
terça-feira 21/10/14 15:41

Caixa 2: criminalizar é preciso?

Por Silvana Batini Cesar Góes*  Recentemente a presidente e candidata Dilma Rousseff divulgou que, se for eleita, irá propor a criminalização do Caixa 2 em campanhas eleitorais. Não é a primeira vez que um político lança mão do direito penal como alternativa máxima de enfrentamento de um problema no Brasil. A isso se dá o nome de direito penal simbólico. Por Caixa 2 entenda-se o ingresso e o uso de recursos não contabilizados nas prestações de contas das candidaturas. ...

Ler post
segunda-feira 20/10/14 16:08

Reações das redes à Justiça Eleitoral

Por Ivar Hartmann* No 2.º turno destas eleições presidenciais, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu ser o pedagogo do povo. Sinalizou uma mudança de posicionamento e passou a condenar qualquer ataque mais forte entre as candidaturas petista e tucana. Os ministros parecem admitir que daqui para frente serão sempre coadjuvantes diante da internet. Tentam frear o inevitável realizando uma patrulha do que ainda conseguem controlar: o horário da TV e rádio. Mas agora há outro palco relevante: as redes sociais. Nelas, os eleitores notaram ...

Ler post