Troca-troca de ministros causa disputa na base

Troca-troca de ministros causa disputa na base

Luiza Pollo

21 Fevereiro 2018 | 05h30

Ministro Osmar Terra (Desenvolvimento Social) Foto: Dida Sampaio/Estadão

Faltando pouco mais de um mês para que os ministros-candidatos deixem os cargos, a base aliada do governo Temer no Congresso começa a disputar as indicações dos substitutos. Cerca de 14 vão entregar suas pastas até 7 de abril. Antes mesmo do prazo final, uma ala do MDB pede ao Planalto a cabeça do ministro Osmar Terra (Desenvolvimento Social), filiado ao partido, alegando insatisfação. No lugar, emedebistas querem emplacar o deputado Jones Martins (RS). O Ministério do Turismo, que ficará vago com a saída de Marx Beltrão, também está sendo disputado na sigla.

Caminho errado. O chefe de gabinete da Secretaria de Governo, Carlos Henrique Sobral, se movimenta para ocupar a pasta do Turismo com a ajuda do líder do governo no Congresso, André Moura (PSC-SE), o que irritou a bancada do MDB, dona da vaga.

Embaralhou. A substituição no Ministério da Educação movimenta o DEM. A bancada não gostou de saber que a tucana Maria Helena Guimarães pode ficar com a vaga ocupada hoje pela sigla.

Tête-à-tête. O ministro Mendonça Filho diz que vai “ter uma conversa franca” com o presidente Temer antes de se posicionar sobre seu substituto no MEC.

Menos. O protagonismo do ministro Moreira Franco no episódio da intervenção na segurança do Rio incomoda aliados do presidente. Pontuam que é Temer e não o ministro quem deve capitalizar a medida.

Alívio. A demissão de Luislinda Valois do Ministério dos Direitos Humanos é tratada no governo como notícia positiva ao lado da aprovação pelo Congresso do decreto de intervenção na segurança do Rio.

#ficaadica. Auxiliares de Temer dizem que ele teve com Luislinda a mesma paciência que dispensa ao governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB). Só que uma hora ela acabou.

Fico aqui. Quem especulou sobre a ida do ministro Sérgio Etchegoyen, do GSI, para o Ministério da Segurança Pública ouviu como resposta que seria despir um santo para cobrir outro.

Sinais Particulares: Sérgio Etchegoyen, ministro do GSI; por Kleber Sales

Empacou. Relator de processo que pode levar à cassação de 11 dos 24 deputados estaduais de Sergipe, o presidente do TSE, ministro Luiz Fux, está há dois anos com o caso parado em seu gabinete.

O caso. O TRE condenou os deputados à perda de mandato por usarem verba pública em benefício de suas candidaturas em 2014. Sem a decisão do TSE, todos poderão disputar a eleição deste ano.

Com a palavra. A assessoria do ministro Fux diz que ele não comenta o caso.

CLICK. A bancada federal do PSDB de Minas Gerais decidiu defender candidatura própria ao governo do Estado. O nome mais cotado é o do senador Antonio Anastasia.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Drible. Pré-candidato ao governo paulista, José Aníbal se assustou com o voto do prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira, na reunião da executiva da sigla, anteontem, favorável à realização das prévias estaduais em março.

Sinais. Aliado do governador paulista Geraldo Alckmin, Duarte votou como queria o grupo do prefeito João Doria, pré-candidato ao governo de São Paulo, e não seus adversários na disputa estadual.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU TÂNIA MONTEIRO 

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão